Tribuna Expresso

Perfil

PUBLICIDADE
Futebol internacional

Bruninho tem 9 anos, é adepto do Santos e foi insultado por pedir a camisola a um jogador do Palmeiras. Pelé, Neymar e Romário defenderam-no

A história aconteceu depois da derrota do Santos contra o Palmeiras, na Vila Belmiro. Bruninho pediu a camisola a Jaílson, o guarda-redes suplente da equipa de Abel Ferreira, e alguns adeptos do Peixe não gostaram. "O nosso desporto é lindo, mas seria melhor se todos os torcedores tivessem o seu coração", escreveu nas redes sociais o Rei, a maior figura do Santos. Esta quarta-feira, Bruninho estará no camarote do Estádio Urbano Caldeira

Hugo Tavares da Silva

Partilhar

Depois de mais um desaire caseiro do Santos, um rapaz de nove anos que estava na bancada do Estádio Urbano Caldeira pediu a camisola ao guarda-redes suplente do Palmeiras. Bruninho até joga nas escolinhas do Santos, mas gosta tanto de futebol que se permite admirar futebolistas de outros clubes. E Jaílson, o goleiro suplente, entregou-lhe mesmo aquele pedaço de tecido que ilumina os olhos de qualquer criança.

A seguir, a esperança e o desportivismo deram lugar ao despropósito e à intolerância que existem no futebol.

Bruninho foi insultado e ameaçado por uma franja da torcida do Santos por ter recebido a camisola de um rival. Um homem tentou até arrancar a camisola das mãos do menino, enfrentando depois o pai dele, segundo a "Gazeta Esportiva" (vídeo em baixo). Bruninho tem apenas nove anos. Aquela brisa miserável de ódio por um gesto inocente levou a criança a publicar um vídeo onde se viu obrigada a dizer que é santista, que apoia o Santos e que até devolvia a camisola.

“Oi, gente, tudo bem? Desculpa se alguém se ofendeu porque peguei a camisa do Jaílson, é que eu gosto muito dele”, ia dizendo Bruninho, com uma inocência e uma beleza que somente pertencem às crianças, ao contrário da responsabilidade e visibilidade do tema. Ao peito levava a camisola do Santos.

“E também gosto do Weverton porque ele é da seleção brasileira. Eu não sou palmeirense, é que eu gosto muito do Jaílson. Não sou palmeirense, eu sou santista. Fui a todos os jogos de 2019 e agora estou tentando perder [recuperar] esse tempo em que não fui à Vila [Belmiro]. Eu não sou palmeirense, sou santista. Sempre apoiei o Santos nos momentos mais difíceis, estive sempre junto com o Santos. Perdoem-me se alguém se ofendeu, eu não quis pegar a camisola do Jaílson para ofender ninguém, foi ao contrário.”

Que um menino tenha de explicar o ABC do lado certo do futebol é assinalável e surpreendente. Este caso motivou uma onda de solidariedade enorme, muito brasileira, humana e genuína, que devolveu o sorriso a Bruninho.

Quando a história galgou as fronteiras do anonimato, Jaílson fez uma videochamada com o rapaz: ''Que sorriso lindo. Deus abençoe você sempre”, escreveu depois o guarda-redes, juntamente com um print da chamada. Já Weverton publicou um vídeo nas redes sociais: “Fala, Bruninho, tudo bem? Aqui é o Weverton. Estou mandando esse vídeo para te agradecer pelo carinho que você tem por mim. Independente de você ser santista, você tem direito de gostar de quem você quiser e tem o direito de torcer para quem você quiser. Que você nunca deixe de ir ao estádio por conta de um ou outro que pense o contrário. Você é livre”, defendeu, anunciando a seguir que lhe ofereceria a camisola da seleção brasileira.

Na conta oficial de Pelé, o ídolo número 1 do Santos surgiu numa fotografia ao lado de Vavá, um futebolista com quem conquistou os Campeonatos do Mundo de 1958 e 1962. “Bruninho, você não precisa pedir desculpas por ser apaixonado por futebol. O nosso desporto é lindo, mas seria melhor se todos os torcedores tivessem o seu coração. Como pode ver na foto, eu também tinha meu ídolo no Palmeiras, viu? Seja sempre feliz!”, encorajou o Rei.

Neymar, outra lenda do Santos, também dispensou o silêncio.

Ao lado de uma fotografia do garoto com a camisola do Santos, o futebolista do PSG escreveu o seguinte: “Bruninho, você é gigante, menino. (...) Onde vamos parar? (...) É uma criança, uma criança que é fã do rival. Qual é o problema disso? O mundo ‘tá ficando maluco. (...) Que tristeza ver esse vídeo. Escutar a voz dele pedindo desculpa e que iria devolver a camisa para que não façam nada com ele! Que tristeza, que tristeza”, desabafou o número 10 da seleção brasileira.

Romário, um dos maiores nomes do futebol do país, publicou o vídeo do menino e juntou-lhe algumas palavras: “Galera, olha que absurdo! Parabéns, Bruninho! Adorei as suas palavras e não devolva a camisa. Deixe esses imbecis e idiotas falarem essas besteiras. Você merece a camisa que ganhou”.

O rapaz, que é um colecionador de momentos e de fotografias com futebolistas e não só (Jorge Jesus, no Flamengo, aparece numa delas), continuou a ser acarinhado por grandes figuras do futebol brasileiro. Diego Tardelli, avançado do Santos, não jogou contra o Palmeiras, mas não faltou a esta convocatória a favor de Bruninho: “Torcemos para que isso não aconteça mais, ainda mais sendo uma criança, inocente e pura. Ficamos tristes, mas estamos aqui para dar lhe apoio, que vai estar com a gente aqui amanhã [quarta-feira] na Vila."

Gabriel Barbosa, atualmente a marcar golos pelo Flamengo, foi formado no Santos e não ficou indiferente à história: “Bruninho, vou mandar-te a minha camisa! Você pode torcer por quem você quiser. O amor pelo futebol pode ser maior que qualquer rivalidade!”.

O episódio de Bruninho esteve praticamente em todos os jornais e bocas do Brasil. É uma daquelas ondas imparáveis. O Santos, perante tal atrocidade, viu-se obrigado a fazer um comunicado público.

"O Santos FC já entrou em contato com Moisés, o pai do Bruno do Nascimento, para minimizar o impacto dos transtornos causados por poucos torcedores exaltados no final do jogo com o Palmeiras. Para manter sua paixão pelo Peixe, Bruninho foi convidado para assistir ao jogo com o Red Bull Bragantino, nesta quarta-feira, na Vila Belmiro, desta vez no camarote. O Clube não compactua com qualquer tipo de violência e se solidariza com a criança, que é um dos mais novos Meninos da Vila, conhecido pelo elenco, por sempre estar apoiando o time no portão do CT Rei Pelé”, pode ler-se na breve declaração.

Como em tudo nesta história, até a atenção mediática que agora sofre Bruninho é demasiada, como comprovam os mais de 200 mil seguidores na sua conta de Instagram ou as contas falsas que estão a nascer como cogumelos.

Depois disto tudo, do despropósito e da solidariedade, espera-se que Bruninho volte a ter coragem para pedir camisolas aos futebolistas dos outros clubes. Esta quarta-feira, já sabemos, estará no camarote a ver o jogo que mais gosta, emocionando-se com o seu Peixe.