Tribuna Expresso

Perfil

PUBLICIDADE
Futebol internacional

“Se volto a ver algum com uma camisola do City, nunca mais jogarão por este clube”: o dia em que Ferdinand percebeu o dérbi de Manchester

O United acabava de perder por 3-1 na casa do rival de Manchester, em Maine Road. Quando Ruud van Nistelrooy entrou no balneário com uma camisola do City, Alex Ferguson "destruiu" o avançado holandês. A história foi contada por Rio Ferdinand, que acabara de chegar do Leeds, e que ficou a perceber naquele momento o que significava a rivalidade mancunian

Hugo Tavares da Silva

Martin Rickett - PA Images

Partilhar

Talvez a distância na classificação, naquela jornada 13 da temporada 2002/03, desvirtuasse a verdadeira essência do dérbi de Manchester. O City tinha 14 pontos, enquanto o United, em terceiro, somava 22, estava a 8 do Liverpool de Gérard Houllier. Rio Ferdinand, que chegara poucos meses antes do Leeds United, aprenderia sobre as verdades daquela rivalidade no final do jogo em Maine Road.

No túnel de acesso ao relvado, Gary Neville estava com aquele ar fechado do costume, como se fosse para as praias da Normandia com a faca nos dentes. E assim manteve o rosto quando Peter Schmeichel, o lendário ex-guarda-redes do United (agora do City), lhe esticou a mão e lhe pediu para trocar de lado, já que ali era a equipa da casa. O olhar do capitão de vermelho foi mais frio do que o gelo da Sibéria. Atrás dele, Fabien Barthez, Ruud van Nistelrooy e Shaun Goater, um dos 11 estrangeiros dos cityzens, iam sorrindo, descontraídos.

Logo aos 5’, Anelka aproveitou uma defesa incompleta de Barthez para fazer o 1-0. Ole Gunnar Solskjær, o atual treinador do United, empatou pouco depois. Goater, o avançado das Bermudas que vestia a camisola 10, colocou a equipa da casa em vantagem, após erro dramático de Neville. Aos 50’, Goater fez mais um (3-1), o seu centésimo no clube onde chegara na temporada 1997/98. Celebrou esticando o indicador, colado aos lábios, mandando alguém calar.

Alex Ferguson, um homem exigente e com o famoso secador de cabelo que lhe saía da boca, entrou sereno no balneário. Fechou a porta. A seguir, Ruud van Nistelrooy, um dos avançados mais finos que Old Trafford já viu, entrou no vestuário com uma camisola do Manchester City. E o tom mudou.

Alex Livesey

“Estava tudo calmo, até que de repente ele entrou em erupção”, começou por contar Rio Ferdinand no seu canal de You Tube, aqui citado pelo “Manchester Evening News”.

“O Ruud, que era o Deus então, entrou com a camisola do City nas mãos e lembro-me que o Sir Alex descarregou absolutamente nele. Ele destruiu-o dizendo: ‘Se eu volto a ver algum de vocês com uma camisola do City, nunca mais jogarão para este clube’.”

E continuou: “Era assim que ele era, estava louco. Foi quando eu me sentei e pensei ‘isto é um grande jogo, não é’”.

Rio Ferdinand comentou ainda que, depois daquele episódio a 9 de novembro de 2002, passou a perceber o real significado daquela rivalidade. “Desde então, quer tu ganhes mais ou menos, eu sabia que aquela semana antes do dérbi era tudo ou nada.”

O Manchester United acabaria por conquistar a Premier League, com mais 32 pontos do que o Manchester City.