Tribuna Expresso

Perfil

PUBLICIDADE
Futebol internacional

Tecnologia que deteta automaticamente um fora de jogo vai ser testada na Taça das Nações Árabes - e a ideia é usá-la em pleno no Mundial

No final do próximo ano todos os caminhos vão dar ao Catar e a FIFA prepara-se para não permitir margem de erro ao ataque de qualquer uma das seleções. Uma nova tecnologia de inteligência artificial, que deteta ao instante se um jogador está em posição irregular, vai ser usada a título experimental já a partir de terça-feira. Se os resultados forem bons, poderá já ser uma realidade de forma oficial no Mundial de 2022

Tribuna Expresso

Julian Finney/Getty

Partilhar

O que é que Portugal e uma tecnologia têm em comum? Ambos precisam de passar pelos play-offs para chegar ao Mundial de 2022. O de Portugal está marcado para o próximo mês de março, já a tecnologia entra em campo durante a Taça das Nações Árabes, a partir da próxima terça-feira.

Depois de ser testada em diversos estádios na Europa, incluindo os do Manchester City, Bayern Munique e Sevilha, a tecnologia que deteta automaticamente quando um jogador se encontra fora de jogo vai ser usada em seis estádios num torneio que conta com 16 equipas. Este sistema de inteligência artificial consegue enviar ao VAR uma mensagem quando o jogador se encontra em posição irregular e depois cabe ao árbitro decidir se está ou não a interferir com a jogada.

Na prática, serão instaladas 12 câmaras ao longo do relvado que, através da inteligência artificial, serão capazes de monitorizar 29 pontos do corpo de cada jogador, assim como o movimento da bola no momento em que o passe é feito. Serão necessários apenas 0.5 segundos para que o sistema consiga determinar o fora de jogo.

Se tudo correr bem durante o torneio no Catar, a FIFA tem intenções de usar esta tecnologia no Mundial de 2022, no mesmo país.

O único problema que se levanta com este sistema, até agora, é a questão de que esta análise levará os atacantes a serem penalizados mesmo que estejam apenas uma pequena fração à frente do defesa. Algumas vozes já se levantaram a favor da mudança das regras de forma a que se favoreça mais os atacantes.