Tribuna Expresso

Perfil

Futebol nacional

O novo e maravilhoso mundo criativo da apresentação de reforços

Um vídeo em que Alan, feito cartomante e vidente, lê a sina a Abel Ferreira, ou outro em que se pede aos adeptos que joguem o jogo da forca para descobrirem que Bruno Moreira é o novo avançado da equipa. O Sporting de Braga e o Rio Ave eram, e continuaram a ser, os clubes em Portugal que mais inovam e puxam pela criatividade na hora de anunciar os reforços. Há o risco de "a forma como se comunica ganhar mais relevância do que o que é comunicado", dizem os clubes à Tribuna Expresso, mas haverá sempre uma aproximação aos adeptos porque "as pessoas sentem que é diferente"

Diogo Pombo

Não é normal ver um treinador de futebol ouvir que reforços o diretor das Relações Institucionais do clube lhe vaticina, nas cartas. Mas foi assim que o Sporting de Braga revelou aos adeptos dois reforços, neste mercado de transferências.

Partilhar

Neste vídeo está um cartomante com cara séria e voz pesada, dentro de uma sala escura, onde a única luz está ao centro da mesa, com fumo a pairar à volta. Apela à magia inexplicável das cartas para ler a sina a quem está, no lado oposto, a ouvi-lo atentamente, adornado de curiosidade, como se tudo o que lhe venha a acontecer na vida dependesse da interpretação adivinhadora que lhe está a ser feita.

No vídeo seguinte, há um fantoche, em tudo parecido aos marretas, que surge mexediço, a gesticular e a mover a boca, enquanto ouvimos um discurso em inglês falado com sotaque italiano, à boleia de uma música de fundo, por respeito ao estereótipo, também tipicamente transalpina. É uma “receita para o sucesso com o chef Napoli”, uma mescla de picanha brasileira e molho napolitano, pelo que a nossa marioneta interlocutora nos diz.

Duas formas não convencionais, quiçá estranhas, por certo divertidas e originais, ambas com menos de um minuto de duração, com que o Sporting de Braga desvendou dois reforços (Pablo Santos e Claudemir) e o Rio Ave revelou um (Carlos Vinícius).

Ver Alan a mascarar-se de decifrador de sinas e Abel Ferreira a confiar, cegamente, nessa aptidão, ou um fantoche armado em cozinheiro a aludir ao facto de o Nápoles ter emprestado um avançado brasileiro ao Rio Ave, não são exemplos únicos.

Também vimos Alan, que é o diretor das Relações Institucionais do clube bracarense, em modo desformatado, vestido à civil com uma camisa veranista, a entrar num bar e pedir um cocktail à Braga, alertando quem o serve, atrás do balcão, para a falta de uma palhinha e esse bartender ser Francisco Palhinha, médio emprestado pelo Sporting, com o traje típico de alguém que trabalhasse num bar algures na série "Miami Vice", a encarar a câmara com um sorriso.

Uma abordagem criativa e que dá um longo salto em comprimento para fora da caixa onde, por tradição, os clubes de futebol ainda vão buscar as apresentações formais, acompanhadas apenas por uma fotografia, pintadas por algumas cores e legendadas pelo típico “bem-vindo”. Moldes sóbrios que ainda são o costume e se viram em grande parte dos reforços anunciados durante este último mercado de transferências, que fechou na sexta-feira, em Portugal.

Estes não foram o primeiro e o segundo vídeos, nem serão os últimos, em que o Braga forja uma identidade própria nesta área. O clube começou a apostar mais seriamente neste tipo de conteúdos no início da época passada, revelou à Tribuna Expresso fonte oficial do clube, sem que isso tenha sido uma decisão isolada. Foi, mais, uma “continuação da linguagem”, com preocupação em “ter uma linha coerente, que seja identificada pelos adeptos e seguidores como sendo a impressão digital do Sporting de Braga”.

Uma pegada que não se vinca, de modo restrito, à apresentação de reforços.

Em julho, um Abel risonho e barbudo, à força, passeou pelas ruas de Braga até chegar uma barbearia tradicional, colocar-se a jeito e ser-lhe feita a barba. A produção hollywoodesca - aliada a frases como “frescos para a nova época” ou “at last [finalmente]” - resultou no vídeo que fez a analogia para o arranque da nova temporada e foi divulgado pelo Braga nas redes sociais.

Um tipo de conteúdo que ajuda “a reforçar o sentimento de pertença porque os sócios e adeptos percebem que o clube pode fazer as coisas bem feitas e diferenciadas dos restantes”, diz-nos a mesma fonte do clube. O feedback dos adeptos, garante, é “altamente positivo” para algo que demora um dia, ou um dia e meio, a ser feito, e em termos de custos é algo “sem expressão nenhuma” na estrutura do Braga.

A produção, a criatividade e “a sorte” em ter a boa-vontade de treinador, jogadores e direção destacam o clube minhoto em Portugal, numa área em que o Rio Ave, mesmo sem os mesmos meios, faz por inovar.

Antes de um fantoche desvendar Carlos Vinícius, o clube já pedira aos adeptos que alinhassem num jogo da forca e adivinhassem, à letra, que Bruno Moreira iria ser o novo avançado da equipa. São vídeos mais lineares, sem tantos artifícios, incomparáveis na produção, mas igualmente criativos e a esforçarem-se para serem originais.

As ideias, na maior parte das vezes, germinam da cabeça de Marco Carvalho, o diretor de comunicação do Rio Ave. “Passa-me qualquer coisa pela cabeça e tentamos fazer. É quase uma pancada minha, adoro isto. Nunca temos muito tempo, porque as contratações são muito imediatas e os nomes nem sempre me chegam com a antecedência que as pessoas pensam”, explica à Tribuna Expresso, com as palavras carregadas de entusiasmo. Está ciente de que “tem a sorte” de contar com uma direção de mente aberta e com boa vontade.

Há cinco anos, quando chegou ao Rio Ave, um dos planos “era tentar mostrar que o futebol não era distante das pessoas, dos adeptos e da própria imprensa”.

Os adeptos, lembra, apenas viam a equipa nos jogos, ao fim de semana, numa fase em que os clubes ainda não tinham fomentado o Facebook, o Instagram ou o Twitter para comunicarem. Agora, mesmo com uma equipa pequena, meios limitados e tempo quase inexistente, as pessoas “gostam” de ver os reforços anunciados desta forma “porque sentem que é diferente”.

Sentimento que as invade, acredita Marco Carvalho, também quando, por exemplo, pega "no telemóvel e apanha um vídeo no ginásio, do grupo todo, que resulta para os adeptos porque veem que a equipa está a trabalhar e há boa disposição". Abordagem que resulta em vídeos quase ‘intrusos’, a mostrar os bastidores, a optarem pela criatividade na forma aliada a um conteúdo que, como o anúncio de reforços, que é e será sempre o mesmo.

Sentimento que as invade, acredita Marco Carvalho, também quando ele, por exemplo, pega "no telemóvel e apanha um vídeo no ginásio, do grupo todo, que resulta para os adeptos porque veem que a equipa está a trabalhar e há boa disposição". Abordagem que resulta em vídeos quase ‘intrusos’, a mostrar os bastidores, a optarem pela criatividade na forma aliada a um conteúdo que, como o anúncio de reforços, é e será sempre o mesmo.

É inexistente qualquer obrigação para o Sporting oficializar Raphinha e Sturaro da mesma forma, apenas mostrando-os com uma fotografia, o FC Porto idem (nos casos de Militão, Mbemba e Saidy), e apenas o Benfica, entre os grandes que mais adeptos, seguidores e pessoas no seu alcance de redes sociais, arriscar na criatividade com que apresentou Facundo Ferreyra ou Gabriel.

A regra ainda não é, de todo, a forma arrojada e original com o Sporting de Braga, sobretudo, e o Rio Ave, desvendam os jogadores que contratam ou outras novidades desportivas do seu dia a dia. Mesmo que já vão aparecendo, de quando em vez, esforços criativos como o fabricado pelo Santa Clara para apresentar Ukra, também ele ávido de rasgos inusitados nas redes sociais.

Exemplos cá de dentro.

Lá fora, por contraste, e mais amostras de clubes a optarem por usar os reforços das equipas como oportunidade para comunicar com os adeptos de maneira original, apostando na produção de vídeos que, muitas vezes, já incluem os próprios jogadores. Haja interesse, boa vontade e querer fazer diferente.

A banda do Real Bétis e a procura pelo guitarrista Giovani Lo Celso:

A AS Roma contratou um guarda-redes sueco e explorou, ao máximo, uma das coisas mais conhecidas da Suécia:

E o Nantes, clube treinado por Miguel Cardoso, lembrou-se do Fortnite, um jogo de computador, para apresentar Lucas Evangelista, ex-jogador do Estoril: