Tribuna Expresso

Perfil

Futebol nacional

O fim da era Loureiro no Boavista

Após meio século na liderança do clube que quebrou o monopólio dos grandes ao sagrar-se campeão nacional na dobragem do milénio, o reinado do clã Loureiro chega ao fim esta sexta-feira. Vítor Murta, presidente adjunto há cinco anos, é o candidato único ao lugar deixado vago por João Loureiro

Isabel Paulo

Valentim Loureiro e João Loureiro

João Carlos Santos

Partilhar

João Loureiro, o presidente mais ganhador do centenário Boavista e cuja proeza maior foi o inédito título de campeão nacional em 2000/01, deixa hoje o clube que durante duas gerações se confundiu com o nome de uma família. Eleito pela vez presidente dos axadrezados em 1997, João Loureiro sucedeu ao pai, Valentim, o dirigente que comandou os destinos do Boavista durante duas décadas, consolidando-o na I Divisão do futebol português e nas provas da UEFA.

A passagem de testemunho ao primogénito foi feita sem sobressaltos, ficando João Loureiro na história como o presidente que se atreveu a intrometer na eterna luta a três pelo titulo de campeão nacional. Na primeira passagem pelo Boavista, interrompida em 2007 no auge do polémico caso 'Apito Dourado', o até agora líder dos 'panteras' conquistou ainda dois segundos lugares na I Liga, que colocaram a então equipa de Jaime Pacheco por três vezes na milionária Liga dos Campeões. Nos mais vitoriosos de sempre, os boavisteiros foram ainda semi-finalista da Taça UEFA.

Afastado do dirigismo desportivo em 2008 por coação na arbitragem, crime de que viria a ser absolvido, João Loureiro viu ainda a equipa despromovida às divisões não profissionais do futebol português, sendo recolocada na I Liga em 2014. João Loureiro, nomeado para encabeçar o Conselho Geral do clube, justifica o adeus por uma questão de saúde e a necessidade de ter uma vida “mais relaxada”.

Para o novo ciclo, o dirigente que se segue é o advogado Vítor Murça, vice-presidente desde 2013 e que liderou o clube durante a suspensão de mandato de João Loureiro. Candidato em lista única, a assembleia Geral Eleitoral decorre nesta sexta-feira entre as 10h e as 19h, seguindo-se a tomada de posse da nova direção. O novo presidente, sócio 3449 da casa, chega ao clube com a equipa de Jorge Simão em 13º lugar da Liga NOS, prometendo o reforço da solidez da instituição, “sem o qual tudo o resto fica comprometido”

Packs de bilhetes mais apelativos para os sócios nos jogos em casa, reforço da competitividade da equipa de futebol e melhorar as receitas provenientes da transferência de jogadores, merchandising e de patrocínios são algumas das metas a que se propõe Murta, sem negligenciar a formação em todas as modalidades do clube.

Em entrevista ao Jornal de Noticias, nesta quarta-feira, João Loureiro revelou que há condições estruturais para que um investidor externo possa entrar no capital da SAD, alho que defende ser “positivo” para um Boavista a “viver no fio da navalha”. Embora remeta a decisão para a futura direção, o presidente cessante admite que o clube possa abdicar da maioria da SAD, depois de pesar os prós e contras.