Tribuna Expresso

Perfil

Futebol nacional

Estrela-Belenenses. Um dérbi na 6.ª divisão contra o “futebol moderno”

Mais de 4500 adeptos estiveram este domingo à tarde na Reboleira a assistir a um dérbi do antigamente: Estrela (sucessor do Estrela da Amadora) e Belenenses (clube e não SAD) defrontaram-se no distrital lisboeta e o resultado foi... uma grande festa - e um empate (0-0)

Hugo Tavares da Silva

Partilhar

Quem viu o “Sunderland ‘Til I Die” (Netflix) faz logo o puzzle mental. Um histórico a vir por aí abaixo, desgovernado, a partir o coração dos apaixonados seguidores. Estrela da Amadora e Belenenses (divorciado da SAD, que jogava ao mesmo tempo no Jamor) encontraram-se esta tarde na jornada 12 da Série 2 da 1.ª distrital de Lisboa. “Dog fight”, diziam e repetiam sobre a agonia do Sunderland a fugir da despromoção à League One. Aqui é diferente, é o regresso às origens. “É a luta contra o futebol moderno”, dizia alguém a um amigo antes de entrar no Estádio José Gomes, na Reboleira.

“Parece que é um jogo da Primeira Divisão”, exaltava um homem com os cabelos brancos lá fora e um andar que já andou com melhores dias. Estava feliz pela agitação. Cheirava a outros tempos. Havia cerveja, bifanas, futebol na ponta da língua, cânticos e reencontros. “Quem é o primeiro jogador do Estrela que te vem à cabeça?”

A espera, que costuma ser deliciosa, estava a virar para o outro lado. A polícia tardava em dar a autorização para a entrada no estádio. Só às 14h35, já com os jogadores a aquecer, foi possível entrar nas bancadas do José Gomes. À porta, um funcionário ia explicando que isto antigamente era um dérbi especial, mais quentinho. Em 35 jogos entre os dois clubes, o Estrela venceu sete, o Belém 13 e em 15 ocasiões deu empate.

A última vez que se juntaram no mesmo relvado na Primeira Divisão foi em março de 2009. Ficou 2-2 e os onzes eram assim: Júlio César, Cândido Costa, Zarabi, Ávalos, Tininhos, Diakité, Mano, Zé Pedro, Silas, Wender, Marcelo Faria (Belenenses) vs. Nélson, Hugo Gomes, Nuno André Coelho, Tengarrinha, Ney Santos, Fernando Alexandre, Celestino, Vítor Moreno, Jardel, Varela e Anselmo (Estrela). O derradeiro duelo no José Gomes para o campeonato foi alguns meses antes, em novembro, com um empate também: 1-1. Nessa época, em que FC Porto foi campeão e Nenê (Nacional) o melhor marcador com 20 golos, congelou-se esta rivalidade lisboeta. Até hoje.

O jogo só arrancou às 15h12. Ainda estavam dezenas de adeptos lá fora para entrar. A organização do evento não foi brilhante, como não seria o meio-campo do Estrela ou o ataque do Belenenses. João Santos e Jorginho, forasteiros de capa azul, ia criando os melhores momentos no início.

O Belenenses queria jogar em todo o campo, começando de trás. Afinal, são os líderes deste campeonato com 10 vitórias em 10 jogos. O Estrela da Amadora, muitas vezes desligado e impotente, ia esperando no seu meio campo.

Já não é como antes, principalmente como em 97/98, quando Fernando Santos conduziu o clube da Reboleira à melhor classificação de sempre: 7.º lugar. O mesmo terão pensado na bancada os irmãos Neves, com o capitão Rebelo ao lado e um tal de Abel Xavier.

O ex-internacional português estreou-se no futebol profissional neste relvado, em maio de 1990, contra o Benfica de Eriksson. Magnusson marcou de penálti aos 71’. João Alves lançou Abel Xavier às feras para os últimos três minutos. Do outro lado havia rapazes como Thern, Pacheco e Paneira. Desta vez não era bem assim. Tomás Castro, Alfonso Alcário e Ricardo Viegas inventavam os lances dos do Restelo.

Os patrões do meio campo, Timmie Pollard (Estrela) e Ilmo Ferreira (Belenenses), iam ditando os tempos. Os tempos dos cortes e dos toques… nas pernas alheias, impondo respeito. É distrital ou não é? Antes do intervalo, um cruzamento de Timmie quase deu a alegria aos da casa, mas essa só chegaria com o cartão amarelo a Ilmo, que já andava a molhar a sopa demasiadas vezes…

O mercado da bancada estava vivo. Vendia-se um caderninho do jogo, mesmo à Premier League, por um euro. Contavam-se lá histórias, entrevistas e os projetos. As pipocas também tinham saída.

Outra coisa que a distrital tem é o regozijo perante um chutão. Parece que os adeptos sentem o alívio de quem alivia e guarda o jardim de casa.

O jogo cairia um bocado na segunda parte. O Belenenses acertou menos, o Estrela sofria cada vez mais, algo que se observava nas cãibras sucessivas dos jogadores -- o campo ia ficando maior e maior. Mas teria mais ou menos a mesma toada da primeira parte, com os que visitavam a Amadora mais fortes. Jorginho continuava a ser dos melhores, a encher o olho e o corredor pela esquerda. Na equipa da casa, a entrada do camisola 10 José Eduardo, ou "Edu" como gritavam as gentes, prometia. Apesar de irrequieto e rápido, trouxe pouco ao jogo ofensivo. O meio campo que o Estrela precisava de visitar parecia maior do que o outro.

Um daqueles momentos de tensão aconteceu aos 67’, quando a ressaca de um livre para o Belenenses levou o árbitro a assinalar… pontapé de baliza. Mas os adeptos achavam que apontava para o penálti e o caldo entornou-se. Foi só por uns segundos. Deu, a seguir, lugar a sorrisos e apertos de mão descontraídos. “Estava a ver…”

“’Tá na hora!!!”. Não estava, mas aquele ponto já estava ali tão perto. Lá dentro, os homens que vestem como o Fluminense agarravam-se ao coração e pediam um milagre aos músculos das pernas. Apesar da falência energética, o golo dos tricolores esteve nos pés de Bernardo Marques, depois da escorregadela de um dos centrais, mas o remate forte saiu à figura de Tomás Foles.

Enquanto os adeptos do Belenenses, que preenchiam a bancada atrás de uma das balizas do José Gomes, puxavam e empurravam a equipa para a frente, a outra equipa do clube, a SAD, ia vencendo o Vitória de Guimarães no Jamor. Dá que pensar quando centenas de adeptos preferem estar a sentir as emoções de um jogo da 6.ª divisão quando têm os seus heróis das botas impecáveis e cintilantes, a calcar relvados de sonho e não carecas como este, a chegar perto do céu no escalão máximo. Não subestimemos a paixão das pessoas, que às vezes só querem sentir que fazem parte de algo.

Apito final no José Gomes (0-0), onde estiveram pelo menos 4500 pessoas, segundo a polícia -- Estrela fala 7000 pessoas nas bancadas. "O que achou? Foi bom ter aqui a cidade, viram-se mulheres e crianças", desabafava um diretor da casa. As equipas aproximaram-se das claques, agradeceram o apoio e ouviram cânticos. Sentiram-se olhados como em tempos olharam alguém. O povo demorou a abandonar as bancadas, parecia querer que este domingo fosse eterno. Os adeptos estavam mais felizes do que os jogadores. Viveram uma tarde à antiga. Não se falou em milhões, tostões ou grandalhões. Foi uma tarde de futebol.