Tribuna Expresso

Perfil

Futebol nacional

Benfica diz que um negócio chinês de €85 milhões correu mal por causa dos e-mails

Diretor do Benfica para a área comercial além fronteiras declarou em tribunal que a divulgação de e-mails internos do clube levou ao falhanço de um negócio na China, no valor de € 85 milhões em 20 anos. Em causa, estava um contrato de licenciamento da marca Benfica, segundo Bernardo Carvalho

Lusa

NurPhoto

Partilhar

O diretor do Benfica para a área comercial internacional, Bernardo Carvalho, associou esta sexta-feira em tribunal a divulgação de e-mails internos do clube ao falhanço de um negócio na China que renderia aos encarnados € 85 milhões em 20 anos. Tratava-se um negócio de licenciamento da marca Benfica e “as coisas falharam” a partir do momento em que os e-mails foram divulgados, disse Bernardo Carvalho, que falava perante o juiz Paulo Duarte Teixeira, do Tribunal Central Cível do Porto, no segundo dia de julgamento da ação em que o clube lisboeta reclama € 17,7 milhões de indemnização a empresas e figuras do universo do FC Porto pela divulgação de e-mails internos benfiquistas.

Também chamado a depor nesta sexta-feira, o presidente da Assembleia Geral do clube da Luz, Luís Nazaré, destacou o “grande sentimento de devassa” sentido pelos sócios. Num julgamento iniciado quinta-feira, o primeiro testemunho foi o do diretor de comunicação do Benfica, Luís Bernardo, para quem o FC Porto quis associar os encarnados a um “polvo como o Apito Dourado”, ao divulgar e-mails do clube lisboeta. O diretor de comunicação disse que a divulgação dos e-mails confidenciais, de forma programada”, obedeceu a uma “estratégia de desgaste” do Benfica, apoiada numa divulgação no Porto Canal, “sem contraditório”, de e-mails “truncados e descontextualizados”.

No processo em que é autora, a Sociedade Anónima Desportiva Sport Lisboa e Benfica – Futebol corresponsabiliza por “danos de imagem” causados pela divulgação dos emails a homóloga do FC Porto, o presidente da SAD e do clube, Pinto da Costa, os administradores Fernando Gomes e Adelino Caldeira e o diretor de comunicação, Francisco J. Marques, além da FCP Média, empresa detentora da estação televisiva Porto Canal.

O Benfica alega que a divulgação dos emails lhe afetou a credibilidade, prejudicando os seus interesses comerciais e chegando a provocar a queda de cotação das ações da Sociedade Anónima Desportiva. Já o FC Porto invoca que se limitou a divulgar informação de interesse público e alega que o correio eletrónico divulgado revela práticas deturpadoras da verdade desportiva.

Numa audiência prévia realizada em 20 de novembro do ano passado, em que se fixou o valor da causa, foi também admitida a reconvenção deduzida pela ré, pedindo uma indemnização cujo valor não foi divulgado. O julgamento prossegue nos dias 28 e 29 de março. Na manhã do primeiro destes dias serão ouvidas ainda testemunhas do Benfica, segundo fonte oficial do clube, seguindo-se as arroladas pelo FC Porto.