Tribuna Expresso

Perfil

Futebol nacional

“Se calhar”, Catarina Lopes “é das primeiras mulheres a assumir uma equipa de homens”

Catarina Lopes vai treinar o Beneditense com o desafio de manter a equipa da Associação de Futebol de Leiria na Divisão de Honra, tendo de recuperar oito pontos nos 15 que ainda faltam disputar: "Os objetivos são claros: garantir a manutenção e conquistar um lugar na final”

Lusa

Harry Trump

Partilhar

Catarina Lopes vai treinar o Beneditense com o desafio de manter a equipa da Associação de Futebol de Leiria na Divisão de Honra, tendo de recuperar oito pontos nos 15 que ainda faltam disputar.

"Os objetivos são claros: garantir a manutenção e conquistar um lugar na final. Se não acreditasse, não tinha aceitado o convite para assumir o cargo. São dois meses que vão garantir muito trabalho, compromisso e atitude da minha parte, das pessoas que trabalham comigo e dos jogadores", disse à agência Lusa a até aqui coordenadora do futebol de formação da Associação Beneditense de Cultura e Desporto (ABCD).

A cinco jornadas do fim, o emblema sediado na freguesia alcobacense da Benedita segue na 15.ª e penúltima posição, com 18 pontos, a oito da zona de salvação, e já não vence há nove encontros, que perfazem a pior sequência de sempre dos 'canarinhos' naquela prova.

Por outro lado, o Beneditense discutirá com o líder Marinhense uma das meias-finais da Taça da Divisão de Honra, competição na qual a ABCD triunfou por duas vezes nos últimos três anos, em 2015/16 e 2017/18.

Na sequência da derrota consentida no domingo em Figueiró dos Vinhos, por 3-2, o treinador Rui Agostinho colocou o lugar à disposição e Catarina Lopes, de 24 anos, aceitou tornar-se a primeira mulher a orientar um clube no futebol distrital leiriense, comandando uma equipa técnica formada por mais três elementos femininos.

"Não importa o género do treinador, mas a competência. De certa forma, os jogadores já me conhecem. Sou uma cara do clube, faço parte da coordenação e penso que a aceitação como treinadora vai ser positiva, porque temos criado boas relações ao longo do tempo. Mais do que gostarem de mim, quero que me respeitem e estejam comigo nas opções para estas finais que vamos ter", explicou.

Natural de Alcobaça, Catarina Lopes começou a praticar futebol na ABCD aos seis anos, alinhando, depois, nas equipas de futsal do Ribafria e dos Vidais, antes de voltar aos relvados para jogar pelo A-dos-Francos, em 2011/12, ainda com idade de juvenil.

Numa primeira fase, a defesa envergou a camisola caldense em cinco épocas, durante as quais chegou à seleção portuguesa de sub-19, apontando dois golos nas 15 internacionalizações somadas pela equipa das 'quinas' entre 2013 e 2015.

Em 2016/17, sagrou-se campeã nacional e venceu a Taça de Portugal pela formação principal do Sporting, numa temporada que assinalou o regresso dos 'leões' ao futebol feminino.

Depois de Alvalade, Catarina regressou às Caldas da Rainha no início da última época, representando o nono classificado do escalão máximo do futebol feminino português, ao mesmo tempo que colabora com o Beneditense na qualidade de treinadora da equipa masculina de iniciados.

Em paralelo com a carreira desportiva, a técnica encarou como "prioridade" a sua formação académica, tendo concluído a licenciatura em Treino Desportivo na Escola Superior de Desporto de Rio Maior e o mestrado em Educação Física na Faculdade de Motricidade Humana, em Lisboa.

Em declarações à Lusa, o presidente da ABCD defende que a opção por Catarina Lopes, curiosamente filha do líder do clube, era a "solução mais lógica", tendo em conta o perfil e o trabalho desempenhado nos últimos quatro anos, pelo que não houve espaço para "hesitações".

Até ver, Luís Lopes recusa integrar a treinadora nas perspetivas de longo prazo do clube, uma vez que Catarina pretende continuar a evoluir na principal liga feminina do país e até já dispôs de "um convite ou dois" de equipas primodivisionárias para ser adjunta a partir da próxima época.

"Se calhar é das primeiras mulheres a assumir uma equipa de homens no futebol sénior. Pode ser bom ou mau, mas é sempre uma mudança. A Catarina não é uma pessoa de barreiras nem tem medo de assumir as situações. Se as coisas não correrem como esperamos e ela pensar noutros caminhos, não lhe vou querer cortar as pernas", garantiu o dirigente máximo 'canarinho', que não atira "a toalha ao chão" na luta pela permanência