Tribuna Expresso

Perfil

Futebol nacional

Ricardo Coração de Guerreiro: Sá Pinto é o novo treinador do Braga

Sá Pinto volta a Portugal, quatro anos depois, para treinar o Sporting de Braga. O técnico, de 46 anos, foi o escolhido para suceder a Abel Ferreira, que saiu para o PAOK, da Grécia

Tribuna Expresso

Gabriele Maltinti

Partilhar

Ricardo Sá Pinto assinou um contrato com o Sporting de Braga para as próximas duas temporadas. É o treinador escolhido para suceder a Abel Ferreira. É o nome que mantém os minhotos com linhagem de técnicos nacionais, porque é o 15.º português seguido a assumir o cargo.

A última vez que o vimos treinar em Portugal foi no Belenenses, em 2016, na mesma cidade onde está o Sporting, clube a que mais se associou enquanto jogador (nove épocas, no total). E, já agora, como treinador, que até lhe valeu uma alcunha, vinda do facto de o primeiro nome e do animal que consta no símbolo do clube coincidirem com a forma como alcunhavam o rei Ricardo I de Inglaterra, afamado como temível e destemido guerreiro.

Mas, de Ricardo Coração de Leão, como os adeptos do Sporting o chegaram a tratar, poderá virar agora Ricardo Coração de Guerreiro.

Sá Pinto é o novo treinador do Braga, que terá chegado a pensar em Silas, do Belenenses, ou em Renato Paiva, do Benfica B, antes de se virar para o português, que fora despedido do Légia de Varsóvia, a 1 de abril.

Em 2017/18 esteve no Standard de Liège e foi na Bélgica que cumpriu a única época desportiva na íntegra desde que é treinador.

Sá Pinto começou a carreira como adjunto no União de Leiria, em 2009/10, antes de chegar aos juniores do Sporting, como técnico principal. Depois de passar nem época e meia na primeira equipa dos leões - 30 jogos e umas meias-finais da Liga Europa -, esteve no Estrela Vermelha (11), na Sérvia, no OFI Creta (34) e no Atromitos (17), ambos na Grécia.

Em 2015/16 regressou a Portugal para 26 jogos à frente do Belenenses, do qual saiu para três meses no Al Fateh, da Arábia Saudita. Voltou à Grécia para treinar, de novo, o Atromitos (13 jogos) e de lá seguiria para a temporada completa em Liège e a incompleta em Varsóvia.