Tribuna Expresso

Perfil

Futebol nacional

Sindicato dos Jogadores critica Sporting e Nacional por terem regressado aos treinos antes de uma concertação clubística

A forma como "alguns clubes" decidiram "unilateralmente" retomar a atividade, em "pleno período de confinamento e estado de emergência", foi criticada pelo Sindicato dos Jogadores esta quarta-feira, em comunicado, no qual também revela que não tem conhecimento de "um parecer favorável da Direção Geral de Saúde relativamente à retoma da atividade desportiva nestas condições"

Tribuna Expresso

Joaquim Evangelista, presidente do Sindicato dos Jogadores

Mário Cruz

Partilhar

O Nacional da Madeira regressou aos treinos a 13 de abril. O Sporting fê-lo na passada terça-feira. Ambos os clubes aplicaram regras de distanciamento, como nunca deixar mais do que dois jogadores em campo e nas instalações, em simultâneo, mantendo as distâncias mínimas de segurança. O Sindicato dos Jogadores lamenta e critica, porém, que tenham decidido fazê-lo "unilateralmente" e "em pleno período de estado de emergência", quando "o protocolo a implementar para minimizar o risco de contágio da covid-19 ainda está a ser discutido" por especialistas e autoridades de saúde.

Dirigindo a crítica ao lote de "alguns clubes" - apontando, diretamente, o nome do Nacional da Madeira, mas não o do Sporting - que optaram por retomar os treinos, o Sindicato escreve, em comunicado divulgado esta quarta-feira, que essa decisão "poderia e deveria ter sido consensualizada entre todos os clubes, garantindo condições de igualdade, e deveria ter ocorrido findo o período de emergência".

A entidade acrescenta que, desse modo, se poderiam ter evitado "discordâncias públicas entre o parecer do médico e administração do clube, como aconteceu no caso do Nacional".

Entretanto, o jornal "A Bola" noticiou que, na próxima semana, os plantéis do Sporting de Braga e do Belenenses SAD também deverão regressar aos treinos.

Quanto ao regresso das competições, o Sindicato considera que "a época deve poder terminar", pois rege-se pelas orientações da FIFA, UEFA, FIFpro e ECA (Associação de Clubes Europeus), ressalvando que "em momento algum, publicamente ou nos grupos de trabalho" criados pela Liga de Clubes e a Federação Portuguesa de Futebol, se manifestou "contra a retoma da competição e conclusão da presente época" devido ao impacto económico e risco para as relações laborais.

A entidade, presidida por Joaquim Evangelista, diz estar "empenhada em discutir" com a Liga o "protocolo que irá ser implementado e as medidas necessárias para proteger a saúde dos jogadores e demais envolvidos no espetáculo desportivo". Realça, contudo, que "neste momento não existe, que o Sindicato conheça, um parecer favorável da Direção-Geral de Saúde", nem uma "indicação clara dos requisitos mínimos que devem estar preenchidos" para a retoma da competição.