Tribuna Expresso

Perfil

Futebol nacional

FPF vai ajudar clubes da II Liga com um milhão de euros. Equipas da I Liga também vão contribuir

A Federação Portuguesa de Futebol vai recorrer a fundos próprios para ajudar os clubes da segunda liga, para compensar a perda de receitas televisivas, devido à não retoma da competição. Os clubes da Liga NOS também vão contribuir. A Tribuna Expresso sabe que o plano de ajuda foi discutido esta sexta-feira, em reunião da Liga onde estiveram representantes de todos os clubes

Diogo Pombo e Pedro Candeias

Fernando Gomes e Pedro Proença, respetivamente, os presidentes da Federação Portuguesa de Futebol e da Liga

Gualter Fatia

Partilhar

A Federação Portuguesa de Futebol (FPF) vai contribuir com um milhão de euros para ajudar os clubes da LigaPro, cuja competição não vai ser retomada por decisão do Governo. A ajuda, sabe a Tribuna Expresso, foi comunicada aos clubes, esta sexta-feira, por Pedro Proença, presidente da Liga que reuniu com os responsáveis das 36 equipas.

No plano de desconfinamento a concretizar, faseadamente, até junho, que António Costa apresentou na quinta-feira, não havia menção à LigaPro, apenas à Liga NOS. Disse o primeiro-ministro que, ao falar com a Federação Portuguesa de Futebol (FPF) e a Liga de Clubes, o Governo percebeu que " só a 1.ª Liga tinha condições para reabertura da atividade desportiva" a partir do fim de semana de 30 e 31 de maio, à porta fechada.

O que provocou, de imediato, um problema - não se jogando as 10 jornadas que restavam, os 18 clubes da II Liga ficariam sem dois meses de receitas relativas aos direitos televisivos.

Ora, na reunião desta sexta-feira, conhecido o apoio financeiro da FPF (que não esteve presente) e a vontade do Governo (em que se chegasse a um consenso), houve uma "grande unanimidade" da parte dos clubes da Liga NOS em também contribuir, conta quem esteve presente no encontro. Para já, não foram discutidos quaisquer valores.

Outro assunto discutido foi as subidas e descidas de divisão. Todos os clubes concordaram que os dois lugares de promoção serão de quem os ocupava quando a competição foi interrompida - portanto, com o Nacional da Madeira, em 1.º, e o Farense, em 2.º. Os responsáveis de ambos os clubes manifestaram a intenção de abdicar das suas partes do apoio financeiro, já que receberão os prémios previstos pela subida à I Liga.

No canto oposto, isto significará que o Cova da Piedade e o Casa Pia, os 17.º e 18.º classificados, serão despromovidos ao Campeonato de Portugal (terceira divisão).

Este formato de decisão da classificação final teve a oposição apenas do Feirense, que ocupava a 3.ª posição da II Liga quando a competição foi interrompida, devido à covid-19 e ao estado de emergência que se seguiu.

Já esta sexta-feira, o plantel do clube de Santa Maria da Feira queixara-se da decisão do Governo, em comunicado: "Somos profissionais e queríamos ter as mesmas oportunidades de terminar o nosso campeonato, como terão os nossos colegas da I Liga. A decisão ontem [quinta-feira] tomada deixa-nos indignados e com um sentimento de discriminação”.

A Tribuna Expresso tentou confirmar a informação com a Liga de Clubes, que, até ao momento, não respondeu.