Tribuna Expresso

Perfil

Futebol nacional

Os capitães da Liga consideram-se esclarecidos, diz o Sindicato. “O protocolo é um consentimento informado e será assinado coletivamente”

Em comunicado, e a propósito das críticas levantadas por alguns jogadores nas redes sociais ao teor do protocolo de retoma do futebol, o Sindicato dos Jogadores revelou que, na segunda-feira, os capitães das equipas da Liga se reuniram com o presidente da Federação e também com “o ex-ministro da saúde e professor da Escola Nacional de Saúde Pública Adalberto Campos para uma sessão de esclarecimento

Pedro Candeias

Gualter Fatia

Partilhar

Em comunicado, e a propósito das críticas levantadas por alguns jogadores nas redes sociais ao teor do protocolo de retoma do futebol, o Sindicato dos Jogadores revelou que, na segunda-feira, os capitães das equipas da Liga se reuniram com o presidente da Federação e também com “o ex-ministro da saúde e professor da Escola Nacional de Saúde Pública Adalberto Campospara uma sessão de esclarecimento.

De acordo com o órgão liderado por Joaquim Evangelista, foi dito aos futebolistasque o pretendido pelas autoridades de saúde é o seu consentimento informado, isto é, uma declaração de que todos tomaram conhecimento das regras decorrentes do protocolo e assumirão o comportamento adequado ao seu cumprimento”.

Por outro lado, o protocolo, que prevê que os futebolistas e as respetivas famílias fiquem confinados no domicílio, será assinado não de forma individual, como o documento da DGS e da FPF sugeria, mas coletivamente, sob a égide do Sindicato.

Leia o comunicado do Sindicato dos Jogadores na íntegra:

Tornado público o protocolo validado pela Direção-Geral da Saúde (DGS) para a retoma das competições, o presidente da Federação Portuguesa de Futebol (FPF) convocou, no dia de ontem (11 de maio), a comissão de emergência com a presença do doutor Adalberto Campos Fernandes, para esclarecer os vários agentes desportivos.

Considerando a intervenção esclarecedora do doutor Adalberto Campos Fernandes, especialista em saúde pública, ex-ministro da saúde e professor da Escola Nacional de Saúde Pública, por um lado, e as dúvidas colocadas por vários jogadores, por outro, o Sindicato promoveu uma reunião informal entre este perito nomeado pela FPF e os capitães de equipa da Liga NOS. A reunião permitiu contextualizar o protocolo, a racionalidade das medidas e os comportamentos que se impõem nesta fase aos jogadores.

Face às dúvidas que resultaram, em especial, do ponto 1. do protocolo sobre as condições de regresso, comunicado pela FPF, os jogadores foram esclarecidos de que o pretendido pelas autoridades de saúde é o seu consentimento informado, isto é, uma declaração de que todos tomaram conhecimento das regras decorrentes do protocolo e assumirão o comportamento adequado ao seu cumprimento. Ficou também esclarecido que, em vez de declarações individuais, será emitida uma declaração coletiva deste compromisso, através do Sindicato, na qualidade de entidade representativa. Em conclusão, ao contrário do que foi sendo especulado, a emissão desta declaração é um mero consentimento informado e não determina a renúncia ou perda de qualquer direito.

Este é um tempo de responsabilidade coletiva e o Sindicato reafirma o compromisso de contribuir para que os jogadores tenham a tranquilidade e garantias necessárias para levar a cabo a retoma desejada, minimizando ao máximo os riscos existentes e contribuindo para que possam ser tomadas decisões de forma consciente e informada.

O Sindicato regista a forma elevada como os capitães de equipa participaram nesta reunião, agradecendo ainda ao doutor Adalberto Campos Fernandes pela disponibilidade que manifestou.

Finalmente, o Sindicato destaca o sentido de responsabilidade e compromisso que os jogadores têm assumido face a esta pandemia e continuarão a assumir no período de retoma das competições”.