Tribuna Expresso

Perfil

Futebol nacional

Marítimo ameaça impugnar I Liga caso não jogue na Madeira

Diretor desportivo do clube lembra que o Estádio do Marítimo é de nível 1 e que a pandemia de covid-19 tem tido menor registo na Madeira, além do confinamento dos atletas e da credibilidade da prova.

Partilhar

O Marítimo vai avançar para a impugnação da I Liga portuguesa de futebol caso não dispute os cinco jogos que tem como visitado no seu estádio, na Madeira, afirmou hoje o diretor desportivo do clube, Briguel.

Briguel lembrou que o Estádio do Marítimo é de nível 1 e que a pandemia de covid-19 tem tido menor registo na Madeira, além do confinamento dos atletas e da credibilidade da prova.

"Temos todas as condições. Aqui, na Madeira, não há grandes casos e está tudo controlado. Nós vamos ter de nos deslocar para o continente, com os jogadores presos dentro de um hotel. Estamos a tentar proteger também a questão dos jogadores, como também da verdade desportiva, que desvirtua totalmente o campeonato em Portugal", comentou.

A I Liga regressa em 04 de junho e o parecer técnico da Direção-Geral da Saúde (DGS) pretende que decorra no menor número de estádios possível.

Após a declaração de pandemia, em 11 de março, as competições desportivas de quase todas as modalidades foram disputadas sem público, adiadas -- Jogos Olímpicos Tóquio2020, Euro2020 e Copa América -, suspensas, nos casos dos campeonatos nacionais e provas internacionais, ou mesmo canceladas.

Os campeonatos de futebol de França e dos Países Baixos foram cancelados, enquanto outros países preparam o regresso à competição, com fortes restrições, como sucede na Alemanha, Inglaterra, Itália, Espanha e Portugal, que tem o reinício da I Liga previsto para 04 de junho.

A nível global, segundo um balanço da agência de notícias AFP, a pandemia de covid-19 já provocou mais de 300 mil mortos e infetou quase 4,4 milhões de pessoas em 196 países e territórios.
Mais de 1,5 milhões de doentes foram considerados curados.

Em Portugal, morreram 1.184 pessoas das 28.319 confirmadas como infetadas, e há 3.198 casos recuperados, de acordo com a DGS.