Tribuna Expresso

Perfil

Futebol nacional

Encontrou-se: FC Porto, o menos mau

Já sabendo do empate do Benfica em Portimão, o FC Porto entrou no Dragão, frente ao Marítimo, com tudo para se isolar na liderança da Liga... e conseguiu-o, através de um golo de Corona, logo no início do jogo

tribuna expresso

Corona marcou um golaço na última jornada, no Dragãoi

Quality Sport Images

Partilhar

Antes do FC Porto-Marítimo começar, às 21h30 desta noite, já todos sabíamos que o Benfica tinha voltado a escorregar, empatando em Portimão, depois de estar a vencer por 2-0, o que motivou o título da crónica sobre o referido jogo: "Procura-se: Benfica".

Ora na procura por esse Benfica - esse Benfica que, ao contrário do atual, não vencia apenas uma vez em 10 jogos - há aqui uma espécie de mapa que pode ajudar o adepto/leitor, apresentado pelo treinador Blessing Lumueno: "Campeão incompetente: o vencedor da Liga 2019/2020 será o menos mau".

Perante a parca qualidade de jogo apresentada e os resultados pouco claros de parte a parte, a verdade é que, faltando apenas oito jornadas para o final da Liga, dificilmente teremos um campeão que convença, para um lado ou para o outro.

Mas, pelo menos na 26ª jornada, podemos dizer que foi encontrado o menos mau: o FC Porto.

Com Alex Telles e Zé Luís de volta ao onze, por troca com Otávio e Soares, a equipa de Sérgio Conceição apresentou-se no 4-4-2 habitual, frente a um Marítimo que se adaptou para fazer frente ao adversário, optando por jogar com três centrais, o que gerava uma linha de cinco defesas lá atrás (mais três médios, mais dois avançados).

Mas a estratégia de José Gomes não contava com a surpreendente criatividade de Jesús Corona, esta noite a jogar mais à frente, a ala direito, com Manafá a fazer a posição de lateral do mesmo corredor. Logo aos 6', numa bola perdida junto à área do Marítimo depois de um lançamento lateral, Corona mostrou espontaneidade na finalização e desferiu um remate sem preparação que surpreendeu o guarda-redes Charles.

A vantagem portista não era, ainda assim, indicativa de grande coisa, a ver por aquilo que tinha acontecido no jogo do rival, poucos minutos antes. Havia que procurar controlar o jogo com bola, perante um Marítimo que tentava sair rapidamente para o ataque com bolas em profundidade, e, esta noite, o FC Porto foi capaz de fazê-lo, mesmo que sem grande virtuosismo.

Ainda que, alguns minutos depois do golo, Maeda tenha assustado, num desentendimento entre Pepe e Marchesin, acabou por haver sempre mais FC Porto, que se instalou desde cedo no meio-campo adversário.

A equipa de Sérgio Conceição tinha mais bola e ia tentando entrar pelos corredores laterais para chegar à área do Marítimo: foi assim que Corona cruzou para a cabeça de Sérgio Oliveira, com a bola a ser defendida por Charles.

Do outro lado do relvado, Marchesin respondia da mesma forma, porque o Marítimo, lá de vez em quando, conseguia chegar à baliza com perigo: Joel Tagueu, com um excelente cabeceamento, viu a bola parar nas mãos de Corona.

Depois de um remate de longe de Sérgio Oliveira que Charles desviou, o FC Porto foi para o intervalo a vencer e regressou para a 2.ª parte de forma muito tranquila. Charles voltou a desviar remates perigosos de Luis Díaz e Sérgio Oliveira, enquanto o Marítimo procurava atrever-se mais no ataque, mas sem grande sucesso, apesar de ter rondado várias vezes a área de Marchesin.

Aos 72', Sérgio Conceição voltou a promover nova estreia na equipa, do jovem de 20 anos Fábio Vieira, que também esteve muito perto de marcar.

Já em cima da hora, a única má notícia da noite para o FC Porto: Alex Telles viu o segundo amarelo e foi expulso.

De resto, só boas notícias: o FC Porto venceu, mesmo sem grande brilhantismo, e isolou-se na liderança da Liga, com 63 pontos, mais dois do que o Benfica. Na próxima jornada, os portistas defrontam o Aves, último classificado da prova.

Procura-se: Benfica

Depois de uma 1.ª parte sólida, em que marcou dois golos e parecia seguro o suficiente para uma noite tranquila, o Benfica decidiu eclipsar-se no regresso do intervalo. Entregou a bola, o controlo, entregou o jogo. O Portimonense empatou e há quatro jogos seguidos na liga que os encarnados não saem disto