Tribuna Expresso

Perfil

Futebol nacional

Além de pensar no FC Porto, Daniel Ramos pensa no futuro: "Já disse ao presidente para falarmos. Quero resolver a minha situação"

O treinador do Boavista termina contrato no final da época e ainda não sabe se irá continuar no clube, 8º classificado da Liga, que defronta o FC Porto em noite de São João: "Eu e a minha equipa estamos disponíveis para jogar de madrugada se for preciso"

Lusa

Gualter Fatia

Partilhar

O treinador do Boavista, Daniel Ramos, disse hoje que pretende "clarificar" o seu futuro "ainda durante esta semana", seja para prolongar a ligação aos ‘axadrezados’, que acaba no final desta época, seja para "ir para o mercado".

O técnico falava durante a antevisão do encontro com o FC Porto, na terça-feira, para a 28.ª jornada da I Liga portuguesa de futebol, e uma das questões abordadas foi se já estava planear a próxima temporada, uma vez que, com 35 pontos, o Boavista tem praticamente garantido o seu grande objetivo: a permanência.

"Esse é um tema que vai ser debatido o mais rápido possível. Já disse ao presidente para falarmos, porque também quero clarificar o meu futuro e isso vai ser, certamente, um tema para os próximos dias. Termino contrato e o clube quer também, certamente, definir a sua situação", afirmou Daniel Ramos.

Daniel Ramos declarou-se convicto de que, "a curto prazo", a relação entre as duas partes ficará definida. "Está tudo em aberto. Existem vários cenários", adiantou ainda, após ser questionado sobre qual a sua vontade.

"Posso confidenciar que o objetivo inicial [quando foi contactado pelo Boavista para treinar a equipa] era ser um ano e meio e, na altura, disse que era preferível fazermos um contrato só até ao final desta época e depois, se houvesse interesse das duas partes, aí sim, continuarmos, porque achei mais correto assim", salientou.

O técnico acrescentou que "o clube ficou até admirado" com a sua posição. Daniel Ramos foi apresentado em 18 de dezembro de 2019 como o novo treinador do Boavista, em substituição de Lito Vidigal, tendo assinado um contrato válido até ao final da presente temporada.

"Prefiro assim, porque tem de haver o sentimento de que ambos querem continuar. Isso vai estar em discussão, logo veremos. O que quero é, muito provavelmente ainda durante esta semana, resolver a minha situação com o clube, porque quero também ou dar continuidade ou ir para o mercado", reforçou.

O Boavista encontrava-se no nono posto e tinha 18 pontos quando Daniel Ramos assumiu o comando técnico, à 14.ª jornada. Na ronda anterior, a 27.ª, recebeu e venceu o Vitória de Setúbal, ocupando agora o oitavo lugar, com 35 pontos.

"Criar dificuldades" ao FC Porto

Sobre o jogo com o FC Porto, Daniel Ramos disse que a equipa está preparada. "Se conseguirmos ser uma equipa idêntica à que esteve presente nos últimos jogos depois da retoma, certamente será uma equipa a criar dificuldades aos FC Porto e a discutir o resultado", afirmou o técnico.

O treinador observou que "não foram muitos" os dias para preparar a partida com o rival portuense, pois o Boavista teve menos dois dias para o fazer, mas disse ter visto "uma equipa confiante, alegre e com jogadores disponíveis".

"Esperemos que estejam todos recuperados a 100% para o jogo do ponto de vista físico e que desempenhem bem o plano de jogo na procura de um bom resultado e de um bom jogo", completou.

O Boavista tem uma das melhores defesas do campeonato e o que tem faltado ao FC Porto é eficácia, mas não deixa de criar oportunidades, o que significa que "as dinâmicas estão lá e o FC Porto continua forte", analisou o treinador ‘axadrezado’.

Daniel Ramos anteviu um jogo com um "grau de dificuldade alto" e considerou que os resultados do FC Porto nas últimas três jornadas (uma derrota, uma vitória e um empate) “não são condizentes" com a sua valia, pelo que vaticinou "um jogo complexo e difícil".

"Temos as nossas armas e espero que a equipa corresponda mais uma vez. Fizemos três bons jogos e esperamos dar continuidade. Um dos objetivos é sermos sólidos e bem organizados e apresentar bons níveis de agressividade", apontou.

Daniel Ramos sustentou que se o Boavista se mostrar sólido e competente nas tarefas defensivas e aumentar a sua qualidade de jogo ofensiva estará mais próximo de ser "uma verdadeira equipa, uma equipa que quer terminar da melhor forma o campeonato".

"Não temos metas definidas em termos de posição e de pontos. O primeiro objetivo era garantir a manutenção o mais rápido possível e fugir dos sobressaltos e com orgulho podemos dizer que o fizemos com muita antecedência para o clube poder planear a próxima época", afirmou.

Daniel Ramos também comentou a data da realização do jogo, na noite em que os portuenses costumam festejar o São João, que este ano, contudo, será minimalista devido à pandemia de covid-19, dizendo que a polémica lhe passou ao lado: "Eu e a minha equipa estamos disponíveis para jogar de madrugada se for preciso", reforçou.

O atacante Cassiano, castigado, é o único jogador com que Daniel Ramos não pode contar. O defesa central Neris "vai sair do clube", rumo aos Emirados Árabes Unidos, embora trabalhe ainda no Boavista "porque está na fase terminal [de recuperação] da lesão".

Sérgio Conceição ataca a sul: “O norte tem demonstrado respeito pelas normas de segurança, ao contrário do que acontece noutras regiões”

O treinador do FC Porto lançou o dérbi de terça-feira, com o Boavista, falando da noite de São João, de penáltis e da falada falta de eficácia dos avançados portistas