Tribuna Expresso

Perfil

Futebol nacional

Presidente do V. Setúbal garante que o clube "vai ter razão no processo" e espera uma decisão do TAD antes do arranque do campeonato

Em conferência de imprensa, Paulo Gomes lamentou o indeferimento da providência cautelar interposta pelos sadinos, mas lembra que o processo continua e que o V. Setúbal dele vai sair vencedor. "Pode é já não ir a tempo", sublinha

Tribuna Expresso

Gualter Fatia

Partilhar

O presidente do V. Setúbal, Paulo Gomes, criticou esta quinta-feira a decisão do Tribunal Arbitral do Desporto de indeferir uma providência cautelar interposta pelo clube, que pretendia suspender a decisão da Liga de desclassificar o clube ao Campeonato de Portugal por incumprimentos no processo de licenciamento nas competições profissionais.

“Hoje é um dia muito triste para o Vitória e para a cidade de Setúbal. Essencialmente pela revolta. Este clube tem problemas graves, mas temos de ser nós próprios a resolvê-los”, começou por dizer Paulo Gomes, que lembra que esta não é uma decisão final, mas apenas o indeferimento da providência cautelar, pelo que o processo continuará em sede do tribunal arbitral.

“O Vitória vai ter razão neste processo, mas pode já não ir a tempo, daí a providência cautelar. Dêem nos possibilidade de nos defender”, disse, afirmando que “a Liga não conhece bem o Vitória e as gentes de Setúbal”.

“A revolta da cidade é enorme. Os valores do Vitória não prevaleceram, esta época estava a ser feito o acerto para equilibrarmos as contas”, frisa ainda.

Paulo Gomes sublinha que o processo de indeferimento está “ferido de erros graves” e que o parecer apresentado pelo clube “nem sequer foi visto”.

“Nem sequer se falou do licenciamento, a análise das razões que evocamos foi feita de forma muito superficial. Voltaram a bater no tema da Autoridade Tributária”, disse.

O presidente do clube assume que a subsistência do Vitória “fica num momento muito difícil” e que vai “abrir o estado de emergência dentro do clube”. Garante, no entanto, que o “Vitória não vai acabar”.

“Os sócios vão unir-se, se for preciso vamos dobrar o número de sócios. O processo vai continuar e vamos defender-nos”.

Sobre os jogadores do plantel, Paulo Gomes diz que vai “falar caso a caso, mas sempre tendo em conta os interesses do Vitória” e espera que uma decisão final do TAD seja tomada antes do arranque do campeonato.