Tribuna Expresso

Perfil

Futebol nacional

Da tempestade europeia à bonança nacional

O Sporting entrou a mil em Portimão e rapidamente construiu uma vantagem de dois - grandes - golos que serviram para arrecadar os três pontos e manter o percurso 100% vitorioso na Liga portuguesa (2-0)

Tribuna Expresso

Gualter Fatia

Partilhar

Se há palavra que raramente é utilizada na vida entre o oito e o oitenta de Alvalade, essa palavra é estabilidade. Num instante, o que parecia bem no Sporting de Rúben Amorim foi alvo de críticas, depois da inesperada eliminação da Liga Europa, e o treinador teve mesmo de sair em defesa da equipa, dizendo que já havia quem tivesse desistido deste Sporting.

Mas, à 3ª jornada da Liga portuguesa, dificilmente é altura para desistir seja de quem for. Principalmente de uma equipa que tem uma dupla de 'Nunos' que entraram a todo o gás em Portimão, resolvendo o jogo em 11 simples minutos, e que, assim, ainda não perdeu na Liga portuguesa - só ganhou, aliás, faltando disputar o jogo adiado perante o Gil Vicente.

Sem Wendel, a caminho do Zenit, o Sporting alinhou com Pedro Gonçalves no meio-campo, com o restante onze a manter-se inalterado. Assim que o árbitro apitou, Porro esteve perto do golo, já que os sportinguistas entraram bem balanceados no ataque, e demoraria pouco até o primeiro golo aparecer.

Logo aos 5', Nuno Mendes recuperou a bola a Anzai, ultrapassou dois adversários com um drible fantástico e marcou o primeiro golo, na cara do guarda-redes Samuel. E fez história: tornou-se o defesa mais jovem do Sporting a marcar o primeiro golo pelo clube, com 18 anos, 3 meses e 16 dias, segundo o Zerozero.

A equipa ainda mal tinha acabado de festejar o primeiro golo de Nuno Mendes na Liga portuguesa quando teve de parabenizar outro colega: Nuno Santos marcou o seu primeiro golo na Liga pelo Sporting, ao cabecear de forma perfeita um excelente cruzamento de Vietto, descaído pela direita.

A entrada fulminante do Sporting deixava o Portimonense atordoado e Paulo Sérgio não demorou a reagir: logo aos 20', tirou Lucas Tagliapietra de campo e fez entrar Welinton Júnior para tentar mudar o rumo dos acontecimentos, passando de cinco para quatro defesas.

O jogo estava, aí, animado, com os algarvios bem subidos no terreno, a tentarem ao máximo dificultar a construção do Sporting, e foi mesmo Welinton Júnior o primeiro a estar perto do golo para os anfitriões.

Depois, começou a haver mais Portimonense, e foi assim que as equipas entraram na 2ª parte: mais Portimonense, menos Sporting.

Mesmo já com Daniel Bragança e Gonçalo Inácio em campo, por troca com Nuno Santos e Feddal (lesionado), o Sporting não melhorou: pelo contrário, pareceu sempre mais interessado em defender a vantagem do que propriamente em aumentá-la, pelo que concedeu a iniciativa do jogo ao Portimonense.

Os algarvios tiveram, então, várias oportunidades de golo, através de Fabrício e Aylton Boa Morte, mas não houve mais golos, nem mesmo quando Tabata - a estreia pelo Sporting, no lugar de Tiago Tomás - se isolou em frente ao guarda-redes, já que o remate saiu fraco.

Apesar da exibição em sentido descendente, o Sporting assegurou três pontos importantes, que mantêm a equipa invencível - juntamente com o Benfica, estes são os únicos conjuntos 100% vitoriosos da Liga 2020/21.