Tribuna Expresso

Perfil

Futebol nacional

Jesualdo Ferreira: "O Boavista está numa fase em que também é preciso um bocado de sorte"

O sempre professoral treinador do Boavista elogiou a forma como a equipa reagiu e jogou na segunda parte, na derrota contra o Sporting, lembrando os muitos jogadores ausentes da defesa que também o obrigaram a adaptar a equipa

Tribuna Expresso

FERNANDO VELUDO/LUSA

Partilhar

A análise ao jogo

"Os problemas que tivemos esta semana, que todos sabem, obrigou-nos a adaptar três jogadores novos, o que nos obrigou também a mudar um pouco o que tem sido o sentido de jogo e a própria estratégia da equipa.

O nosso pensamento foi tentar enquadrar-nos no que tem sido o jogo do Sporting e, ao mesmo tempo, não fugir muito do que podemos fazer. A alteração que fiz ao intervalo [passar do 5-3-2 para o 4-3-1-2] teria que a fazer, fosse qual fosse o resultado, porque uma das coisas importantes é preparar o Boavista e estes jogadores para os restantes 20 jogos.

Na primeira jogada do Sporting dentro do seu estilo de jogo, fez golo. Na segunda parte, o Boavista, com uma defesa em que estava um miúdo que nunca tinha jogado, mais o Rami, que fazia o primeiro jogo depois de tanto tempo parado, deu uma resposta melhor porque essa é a forma como o Boavista tem vindo a jogar e vai jogar no futuro.

Obrigou o Sporting a mexer muito no meio-campo para poder garantir equilíbrios. Fizemos o que tínhamos de fazer: primeiro, não expor jogadores novos numa zona em que sabíamos o que o Sporting iria fazer. Depois, na segunda parte, sofremos outro golo com o lateral direito a fazer outro pontapé excelente, mais um golo de aplaudir.

O Boavista está numa fase em que também é preciso um bocado de sorte, ficou o registo da segunda parte contra um Sporting com jogadores muito confiantes, que fazem com que o Sporting seja uma equipa com muita confiança na forma como joga."

A sorte

"Como disse, às vezes a sorte não anda muito para um determinado lado, que nos ajude também, mas, fundamentalmente, que não seja tão madrasta. Muitas vezes, quando falamos na questão da sorte, é o que transforma uma jogada em golo com alguns imponderáveis e o Boavista não tem tido essa sorte. Agora, o golo do Porro não é sorte, é de talento e de qualidade."

Perdemos um jogo com o Sporting e outro com o Braga, mas o que mancha isto é a derrota com o Tondela. Mas a equipa respondeu de forma generosa, respondendo, com indicações clara, que pode e vai conseguir chegar às vitórias que queremos. "