Tribuna Expresso

Perfil

Futebol nacional

A abrir a 2.ª volta, não houve seis pontos para ninguém

No jogo grande da 18.ª jornada, que abriu a 2.ª volta da Liga, o FC Porto começou melhor do que Sporting de Braga, colocou-se em vantagem, por 2-0, mas, nos minutos finais, já com Corona expulso, tudo mudou e o Braga empatou (2-2)

tribuna expresso

Quality Sport Images

Partilhar

Foi Sérgio Conceição a dizê-lo na conferência de imprensa de antevisão: "Vamos iniciar a 2.ª volta e tenho a certeza que se ganharmos os jogos todos somos campeões. Não dependemos de nós neste momento mas é a minha convicção. Isto é uma maratona. Em maio fazemos as contas."

Na verdade, como o treinador do FC Porto depois acabou por acrescentar, os portistas não dependem neste momento apenas deles, uma vez que o Sporting ainda segue na liderança, mas a verdade é que a equipa de Sérgio Conceição começou mesmo com tudo a 2.ª volta do campeonato, perante um dos rivais à conquista do título... pelo menos até aos últimos minutos do jogo, quando tudo mudou.

Dada a importância deste jogo "de seis pontos", como o apelidou Sérgio Conceição - três pontos que se podiam conquistar e outros três que o adversário não conquistava, daí os seis pontos -, o FC Porto voltou à sua base habitual, não havendo desta feita gestão do plantel, como aconteceu contra o BSAD - sem sucesso, como se viu pelo empate.

Corona, Luís Diaz e Marega regressaram ao onze - e comprovaram a sua importância... -, assim como o inesperado Sarr, o que fez com que se pudesse pensar, antes do jogo, que os portistas iriam entrar com um sistema de três centrais, para controlar o 3-4-3 de Carvalhal, mas a verdade é que o futebolista francês jogou mesmo encostado à esquerda, como lateral, ficando Zaidu no banco.

No Braga, também Carvalhal voltou às escolhas mais frequentes, remetendo os reforços Borja e Sporar para o banco, mas foram mesmo os visitantes a entrar melhor no jogo e a manter-se nele de forma bem mais consistente do que o adversário.

Depois de um cruzamento de Marega, Taremi deu o primeiro alerta, num remate desviado por Tormena, e Luis Díaz também rematou ao lado, pouco depois. Perto da baliza de Marchesin, foi Abel Ruiz a ter a grande oportunidade dos bracarenses na 1.ª parte, ao cabecear ao lado após um cruzamento de Esgaio pela direita.

O jogo já se aproximava do intervalo quando Tormena, dentro da área, agarrou Marega, provocando assim um penálti que Artur Soares Dias marcou depois de ser alertado para tal pelo videoárbitro. Sérgio Oliveira, como já é habitual, concretizou, fazendo o 1-0.

Ao início da 2.ª parte, mais do mesmo: o FC Porto a entrar novamente melhor do que os bracarenses e quase a aumentar a vantagem na sequência de um canto em que Mbemba aparece completamente sozinho ao 2.º poste.

Aos 54', o 2-0 surgiria mesmo. Depois de (mais) um grande trabalho de Corona no lado esquerdo do ataque portista, o mexicano cruzou atrasado para a área, onde apareceu Taremi, de primeira, a acertar na baliza de Matheus.

Em desvantagem, Carlos Carvalhal refrescou a equipa, com as entradas de Sporar, Borja, Gaitán e Piazón, e foi o ex-avançado sportinguista Sporar o primeiro a estar perto de marcar, num cabeceamento que saiu ao lado.

De resto, o Braga bem tentou carregar, com o FC Porto agora muitíssimo mais recolhido perto da sua área, até porque, aos 60', Corona acabou por ser expulso, num lance com Esgaio em que foi amarelado pela segunda vez, depois de uma falta na 1.ª parte que também teve direito a amarelo.

Já com menos um, Sérgio Conceição fez entrar Zaidu (que acabou por sair lesionado pouco depois, entrando então Diogo Leite) e montou uma linha de cinco atrás, para precaver os ataques bracarenses, que se acumularam nos últimos minutos.

Depois um excelente lance de Ricardo Horta na área, que acabou por ser cortado por Pepe, já em cima da linha de golo, foi mesmo Fransérgio a reduzir o marcador, dentro da área, a passe certeiro de Piazón, num lance em que Marchesin pareceu mal batido.

Ao reduzir o marcador, os bracarenses galvanizaram-se e Esgaio e Gaitán assustaram, à vez, de cabeça, Marchesin, mas sem sucesso.

O jogo já ia nos descontos, finalmente, quando Carvalhal pôde festejar as suas substituições absolutamente certeiras: após cruzamento de Piazón ao segundo poste, Nico Gaitán apareceu sozinho para encostar a bola para o 2-2 final.

O que parecia ser uma vantagem tranquila do FC Porto, antes da expulsão, esfumou-se completamente nos últimos minutos, quando a equipa de Sérgio Conceição recuou cada vez mais e acabou por permitir o empate.

Com este empate, quem pode começar a 2.ª volta da melhor forma é... o Sporting, uma vez que, em caso de vitória em Barcelos, na terça-feira, pode aumentar a distância para portistas e bracarenses. Para já, o 1.º classificado segue com 45 pontos (e menos um jogo), o FC Porto é 2.º com 40, o Braga é 3.º com 37 e o Benfica é 4.º com 34, os mesmos pontos do Paços de Ferreira, sendo que ambos os 4.º classificados, respetivamente, podem alcançar os bracarenses caso vençam, respetivamente, Famalicão e Portimonense, segunda-feira e terça-feira.

O balanço de uma 1.ª volta própria de 2020: os melhores, as surpresas, as desilusões… e o que esperar daqui em diante

Num ano atípico como 2020, a 1.ª volta desta Liga NOS não desiludiu. Houve grandes surpresas, ainda maiores desilusões, mas muita imprevisibilidade e emoção. O super Sporting CP conseguirá aguentar-se? O Benfica de Jorge Jesus reergue-se ou afunda-se definitivamente? E o campeão FC Porto?