Tribuna Expresso

Perfil

Futebol nacional

Taça de Portugal: Um neoclássico Braga - FC Porto (outra vez). O recordista Benfica quer andar na linha

O FC Porto, detentor do troféu, visita o Sporting de Braga na primeira mão das meias-finais da Taça de Portugal em futebol, três dias depois do traumático empate, enquanto o Benfica joga na casa do 'secundário' Estoril Praia

Lusa

HUGO DELGADO

Partilhar

O FC Porto, detentor do troféu, visita o Sporting de Braga na primeira mão das meias-finais da Taça de Portugal em futebol, três dias depois do traumático empate, enquanto o Benfica joga na casa do 'secundário' Estoril Praia.

O confronto disputado no domingo, de abertura da 18.ª jornada da I Liga, provocou danos psicológicos, uma vez que o FC Porto vencia por 2-0 a menos de cinco minutos do fim, e pode deixar a equipa portuense mais distante do líder Sporting, que fecha hoje a ronda no estádio do Gil Vicente, mas não só.

O campeão nacional perdeu para o segundo 'round' com os minhotos o contributo do extremo mexicano Corona, um dos jogadores mais influentes, que esteve na génese do segundo golo marcado pelos 'dragões' em Braga, mas foi expulso aos 60 minutos, tal como sucedeu com o treinador Sérgio Conceição, já em período de compensação.

O lesionado Otávio é outra baixa de vulto para o jogo de quarta-feira, mas o Braga também se debate com a necessidade de encontrar um substituto à altura do goleador Paulinho, que se transferiu em janeiro para o Sporting, apesar de os 'arsenalistas' terem recebido dos 'leões' o defesa Borja e o avançado Sporar, além de um encaixe financeiro significativo.

A favor da equipa portuense, que na época passada conquistou pela 17.ª vez a Taça de Portugal, igualando o pecúlio do rival Sporting, joga a estatística da prova: o FC Porto superou o Braga em 14 confrontos anteriores (entre os quais as finais de 1977 e 1998) e apenas foi superado em dois, o mais doloroso o jogo decisivo de 2016, no desempate por grandes penalidades.

O percurso do FC Porto na edição 2020/21 começou com um triunfo por 2-0 sobre um adversário do Campeonato de Portugal, o Fabril do Barreiro, seguindo-se três embates, e alguns sobressaltos, frente a equipas da I Liga, o Tondela (2-1), o Nacional (4-2, após prolongamento) e o Gil Vicente (2-0).

O Sporting de Braga, que, além do título alcançado em 2016, apenas conquistou mais um, 50 anos antes (1966), teve o trajeto mais facilitado, pois apenas nos quartos de final defrontou um primodivisionário, o Santa Clara (triunfo por 2-1), depois de ter 'despachado' três equipas do terceiro escalão: Trofense (2-1), Olímpico do Montijo (7-0) e Torriense (5-0).

O Benfica, recordista de títulos na competição, com 26 troféus, pode encontrar na Taça de Portugal uma forma de minimizar os danos, numa época em que o grande objetivo, a reconquista do campeonato, parece condenado ao insucesso, ocupando o quarto lugar, a oito pontos do Sporting, que tem menos um jogo.

Já com o treinador Jorge Jesus no banco de suplentes, recuperado da covid-19, os 'encarnados' regressaram na segunda-feira às vitórias, ao imporem-se por 2-0 na receção ao Famalicão, na 18.ª jornada da I Liga, após terem alcançado apenas um triunfo nos seis jogos anteriores, em várias competições.

O único sucesso durante aquela série negativa foi obtido, precisamente, na Taça de Portugal, e de forma concludente, por 3-0, sobre o Belenenses SAD, o mais destacado de todos os adversários na prova, em que deixou ainda pelo caminho Paredes (1-0), Club Football Estrela (4-0), ambos do terceiro escalão, e Vilafranquense (5-0), da II Liga.

O Benfica poderá atingir a final tendo defrontado apenas uma equipa da divisão principal, mas antes terá de bater o Estoril, segundo classificado na II Liga, que já eliminou três primodivisionários, casos do Boavista (2-1), Rio Ave (2-1) e Marítimo (3-1, após prolongamento), depois de deixar pelo caminho o Sertanense (4-0) e o Lusitano de Évora (5-0).

Na quinta-feira, o Estoril começará a lutar em casa pela reedição da única presença na final da Taça de Portugal, em 1944, na qual foi goleado por 8-0 pelo Benfica, o resultado mais desnivelado de sempre, enquanto os jogos da segunda mão estão marcados para os estádios do Dragão e da Luz, em 3 de março.