Tribuna Expresso

Perfil

Futebol nacional

Vira o disco e toca o mesmo

Três dias depois de um Sporting de Braga-FC Porto que acabou empatado já nos descontos, o Sporting de Braga-FC Porto desta noite, agora para a 1.ª mão das meias-finais da Taça de Portugal, voltou a acabar empatado, com novo golo nos descontos - e depois de duas expulsões portistas

Tribuna Expresso

HUGO DELGADO

Partilhar

É uma daquelas verdades universais do futebol que os treinadores repetem: não há jogos iguais. As circunstâncias são sempre diferentes, os dias também e, por fim, até as provas. Esta noite, na Pedreira, três dias depois do Sporting de Braga-FC Porto para a Liga, houve Sporting de Braga-FC Porto para a Taça e, na verdade, o jogo foi muitíssimo semelhante ao anterior:

- o FC Porto começa por cima e a ganhar;

- o Braga começa a estar melhor na 2.ª parte;

- há uma expulsão de um jogador do FC Porto (no jogo anterior, Corona; hoje, Díaz);

- o Braga empurra cada vez mais o FC Porto para trás;

- já nos descontos, o Braga empata o jogo.

Foi, em termos gerais, esta a história de ambos os confrontos entre duas das melhores equipas portuguesas, ainda que esta noite a narrativa até nem parecesse ir por esse caminho.

Ambas as equipas entraram com onzes diferentes: no FC Porto, Marchesin cedeu a baliza a Diogo Costa e Fábio Vieira entrou para o lugar de Corona, castigado; no Braga, saíram Raúl, Novais e Ruiz e entraram Sequeira, Piazón e Sporar.

Os portistas começaram melhor e um remate de longe de Sérgio Oliveira foi o primeiro sinal de alerta para Matheus, que desviou a bola. O problema é que, logo aos 9', ao sair da área para desviar outra bola do caminho, após um passe longo de Mbemba, Matheus cabeceou-a para os pés de Taremi - o iraniano aproveitou a oferta na perfeição, rematando de primeira para uma baliza vazia.

A vantagem portista acalmou o jogo, que manteve um ritmo relativamente baixo até ao intervalo. Do lado bracarense, não houve oportunidades de golo dignas de registo, enquanto do lado portista o único lance de golo foi novamente protagonizado por Taremi, que entrou na área após uma excelente combinação com Fábio Vieira, mas permitiu a defesa de Matheus ao remate que efetou.

Na 2.ª parte, tal como no jogo anterior, foi o Sporting de Braga a entrar melhor e encostar o FC Porto mais atrás, mas, ainda assim, sem criar grandes oportunidades de golo, com exceção para um ótimo lance de Sporar, que fez quase tudo bem: grande receção, grande finta a arranjar espaço na área e, perante Diogo Costa... remate ao lado.

Aos 65', numa investida muito rápida pela esquerda, Luis Díaz entrou na área do Braga e rematou com perigo para defesa de Matheus, que desviou para canto. O que parecia ser um lance como outro qualquer seria, afinal, o momento marcante da noite: David Carmo foi ao lance tentar impedir o remate do adversário e Díaz, depois de acertar na bola, pisa o tornozelo do bracarense, acabando por aparentemente parti-lo.

David Carmo foi socorrido por ambas as equipas médicas e teve de ser retirado de ambulância - com os jogadores a terem de empurrar a ambulância que ia ficando presa no relvado molhado... -, altura em que o VAR alertou Luís Godinho que deveria ver o lance entre os dois jogadores. O árbitro decidiu então expulsar Díaz, o que gerou muitas críticas do lado portista, assim como lágrimas do jogador colombiano.

Com os nervos de todos à flor da pele e uma certa sensação de déjà vu no ar, o Sporting de Braga, já com Gaitán, André Horta e Borja em campo, empurrou o FC Porto para trás e procurou desesperadamente o golo.

Sporar esteve perto de marcar, primeiro de cabeça e depois num lance em que Pepe quase introduzia a bola na própria baliza, mas os portistas foram aguentando o mais que podiam, já com quase toda a equipa metida na área.

Já nos descontos - 12 minutos, devido à paragem para socorrer David Carmo -, Uribe, que tinha entrado pouco antes, desentendeu-se com Esgaio, dando-lhe uma cabeçada, pelo que foi expulso pelo árbitro, com Esgaio a ser amarelado.

A terminar o jogo, precisamente aos 90'+12', Gaitán cruzou para o segundo poste, Sporar cabeceou ao poste e, na recarga, Fransérgio fez o 1-1 final.

O jogo acabou logo depois, com o empate a manter ambas as equipas com condições para avançar para a final da Taça de Portugal, já que ainda terão de disputar a 2.ª mão no Dragão, em março. Uma coisa é certa: haverá jogo, novamente, até final - dos 90 minutos e dos descontos.

Pinto da Costa: "Recebi mensagens ainda com o jogo a decorrer pedindo que a equipa abandonasse o terreno de jogo. Basta"

O presidente do FC Porto foi à sala de imprensa do Municipal de Braga, após o empate do FC Porto na 1.ª mão da meia-final da Taça de Portugal (1-1), para criticar duramente a arbitragem