Tribuna Expresso

Perfil

PUBLICIDADE
Futebol nacional

Pepa e os elogios: "Às vezes uma pessoa distrai-se um bocadinho e depois vai contra uma parede"

O treinador do surpreendente Paços de Ferreira tem sido elogiado pela crítica e do Brasil chegam notícias de que o gigante Santos estaria interessado em contratá-lo. Pepa, no seu estilo desassombrado, sacudiu o interesse e preferiu concentrar-se no jogo com o Sporting (segunda-feira), em pretende retificar a imagem da sua equipa: da última vez, os pacenses não fizeram um "remate à baliza" dos leões

Lusa

JOSÉ SENA GOULÃO

Partilhar

O treinador do Paços de Ferreira admitiu hoje ser necessário "fazer mais e melhor" para pontuar frente ao Sporting, reconhecendo que vai defrontar na 19.ª jornada "uma das equipas mais difíceis de contrariar" da I Liga de futebol.

No lançamento do jogo em Alvalade, na segunda-feira, Pepa recusou a existência de uma motivação especial por defrontar o líder e assumiu como desafio maior "tentar anular o Sporting" (após as derrotas no campeonato e na Taça de Portugal, por 2-0 e 3-0), num "jogo de grande complexidade e maior mediatismo".

"Estamos obrigados a fazer mais e melhor, e não se trata de nenhum ajuste de contas. [Para o campeonato] ficou-nos um amargo de boca, porque não fizemos um remate à baliza. No jogo da Taça [de Portugal], sentimos alguma incapacidade física, mas houve muito mérito do Sporting. Cabe-nos agora fazer um grande jogo e sermos iguais a nós próprios", disse Pepa.

O técnico pacense assegurou que a identidade do Paços não será alterada em função de um jogo ou adversário e que as mais-valias do Sporting, acrescidas recentemente do avançado Paulinho, contratado ao Sporting de Braga, estão devidamente identificadas, faltando o mais difícil, que é anular a equipa orientada por Rúben Amorim.

"Para além do jogo sem bola, da largura, da linha de três atrás ou os três homens da frente com muita profundidade, está tudo identificado. Seria ingrato para outras equipas dizer que [o Sporting] é a equipa mais difícil, mas tem sido das mais difíceis de contrariar e será um desafio tremendo para nós", sublinhou.

Pepa antevê mesmo "um jogo aberto e bem disputado, taticamente rico e muito completo", reiterando o desejo de "marcar golos, ter bola, ser pressionante" e, no fundo, "uma equipa igual a si própria" em Alvalade, onde mora o líder do campeonato.

"A estrelinha (de campeão de que se possa falar) para mim tem outro nome: trabalho, persistência, resiliência. Há que dar mérito a quem o tem e a quem ainda não perdeu no campeonato. É uma equipa com muita alma, entrega, que acredita até ao último minuto, e essa é a estrelinha. É um grupo muito jovem, é verdade, mas também tem muita experiência e, sobretudo, competência", afirmou.

O técnico pacense foi ainda questionado sobre um alegado interesse do Santos, do Brasil, nos seus serviços, mas recusou desviar o foco do jogo em Alvalade, alegando que "às vezes uma pessoa distrai-se um bocadinho e depois vai contra uma parede", confessando mais tarde "satisfação e orgulho" com tudo o representa a valorização do clube pelo trabalho da equipa e dos jogadores.

O Paços de Ferreira, quinto classificado, com 35 pontos, defronta o líder Sporting, com 48, em Alvalade, na segunda-feira, às 20:15, num jogo que terá arbitragem de André Narciso, da associação de Setúbal.