Tribuna Expresso

Perfil

Futebol nacional

Futebol sim, violência não

O FC Porto venceu o Portimonense, por 2-1, num jogo difícil que ficou marcado pelas expulsões de ambos os treinadores, que se pegaram na saída para o túnel, assim como alguns jogadores

tribuna expresso

Fran Santiago

Partilhar

"No fim de semana em que se comemora o dia “Internacional Contra a Discriminação Racial”, a 21 de março, o Futebol Profissional apela à sensibilização para a importância do respeito pela raça, etnia ou religião de cada ser humano.

Os jogadores juntaram o seu nome a esta causa - de forma literal - entrando em campo com a inscrição RACISMO NÃO na camisola, em detrimento do nome."

A iniciativa levada a cabo pela Liga Portugal esta jornada é, sem dúvida alguma, louvável, mas o Portimonense-FC Porto fica marcado por um episódio que é o completo oposto: depois do segundo golo dos portistas, ambos os treinadores, Sérgio Conceição e Paulo Sérgio, que acabaram expulsos depois de trocarem insultos, pegaram-se no túnel, assim como alguns jogadores, interrompendo o jogo durante largos minutos.

"Violência não", apetece ressalvar, depois de um momento que manchou um jogo que até então tinha sido bastante calmo. Talvez até calmo demais, dado que tanto FC Porto como Portimonense tiveram grandes dificuldades em chegar às respetivas balizas adversárias.

Os portistas, com o mesmo onze que derrotou o Paços, raramente conseguiram desmontar a organização defensiva dos algarvios, sempre muito bem fechados atrás com uma linha de cinco, tentando sair em contra ataque através da velocidade do avançado Beto.

O primeiro lance de perigo foi mesmo dos anfitriões: Anzai isolou-se, após um lançamento nas costas da defesa portista, mas acabou por falhar a baliza.

Para o FC Porto, não houve oportunidades, mas houve uma contrariedade precoce: aos 23', Pepe deu sinal que não estava bem e teve mesmo de ser substituído por Diogo Leite.

Nos primeiros 45', os portistas não fizeram um remate enquadrado à baliza de Samuel... mas marcaram. Mesmo em cima do intervalo, depois de uma jogada individual de Corona pela direita - a única forma de desatar o nó defensivo -, a bola foi cruzada para a área, Sérgio Oliveira falhou o remate, Marega também, mas a bola acabou a embater em Possignolo e a entrar.

Com alguma felicidade, o FC Porto ia para a 2.ª parte a vencer, e mesmo nos descontos da 1.ª parte o Portimonense ainda teve um lance perigoso de Beto, defendido por Marchesin.

Nos segundos 45 minutos, os portistas lançaram bem menos bolas na profundidade, guardando a verticalidade para trocá-la pela posse de bola, para ir tentando gerir o resultado favorável, que mantinha a equipa segura no 2.º lugar.

A estratégia foi funcionando, e Taremi até podia ter feito o 2-0, na cara de Samuel, mas aos 64' foi por água abaixo. Dener encontrou Fali Candé nas costas da defesa portista, ofereceu o golo a Beto, mas o remate do avançado foi cortado por Diogo Leite. Ainda assim, a bola ficou ali perdida e, na recarga, foi mesmo Candé a emendar de cabeça para empatar.

Mas a alegria da equipa de Paulo Sérgio foi de pouca dura. Primeiro, ambos os treinadores foram amarelados, por provocações de um banco para outro. Depois, aos 67', num livre direto, Sérgio Oliveira fez o 2-1, contando com a ajuda infeliz de Samuel Portugal, já que a bola bateu no poste e só entrou após bater nas costas do guardião.

Após o 2-1, voltaram os problemas nos bancos e o árbitro Rui Costa decidiu mesmo expulsar Sérgio Conceição e Paulo Sérgio, que foram aos empurrões para o túnel, onde também se aglomeraram vários jogadores de ambas as equipas.

No regresso ao campo, Marchesin, Maurício e Beto foram amarelados e pouco mais houve para ver até ao final - no que diz respeito a futebol, pelo menos.