Tribuna Expresso

Perfil

Futebol nacional

Vídeo. Miguel Cardoso esticou os dedos médios e disse sentir-se inseguro para ir à flash. O Boavista acusa-o de “mentir descaradamente”

Os instantes finais do Boavista - Rio Ave ficam para a história de um jogo que teve seis golos

Lusa e Tribuna Expresso

Partilhar

O Boavista, da I Liga portuguesa de futebol, considerou hoje que o treinador do Rio Ave, Miguel Cardoso, "mentiu de forma descarada", ao mencionar que houve agressões no final do jogo entre as duas equipas, da 26.ª jornada.

"O Boavista desmente categoricamente as acusações do treinador Miguel Cardoso, que mentiu de uma forma descarada, ao falar em agressões, que só existiram na sua fértil imaginação", pode ler-se numa nota enviada pelo clube portuense à comunicação social.

Em causa, estão declarações do treinador do Rio Ave, na sala de imprensa do estádio do Bessa, no final da partida, partilhando que não se sentiu "seguro" para participar na zona de entrevistas rápidas do canal televisivo que transmitiu a partida.

"Houve incidentes diversos que não me permitiram ir [à zona de entrevistas] em segurança. Não posso ser insultado e ter um adjunto a ser agredido. Houve um conjunto de coisas que não quero me alongar", disse o técnico dos vila-condenses.

Na nota informativa enviada, o Boavista disse que tal é uma "mentira facilmente desmascarada quando forem conhecidos os relatórios das forças policiais e dos delegados da Liga presentes no local".

"Esta acusação mirabolante só serve de desculpa para o espetáculo degradante que este agente desportivo protagonizou ao longo de todo o jogo", pode ler-se no mesmo texto.

Boavista e Rio Ave empataram hoje 3-3, em partida da 26.ª jornada da I Liga portuguesa de futebol, que teve uma ponta final marcada por algumas 'escaramuças' e trocas de insultos entre elementos dois clubes. Miguel Cardoso chegou mesmo a esticar os dois dedos médios para o banco de suplentes do Boavista quando Coentrão fez o empate.