Tribuna Expresso

Perfil

PUBLICIDADE
Futebol nacional

Sem moral

Depois de sete jogos consecutivos a vencer (e sem sofrer golos), o Benfica de Jorge Jesus foi derrotado pelo Gil Vicente, na Luz, por 2-1

tribuna expresso

NurPhoto

Partilhar

Numa semana em que se falou muito de "moral", entre Jorge Jesus e Sérgio Conceição, devido às palavras de Pepe sobre a expulsão de Eustáquio, o Benfica teve, esta noite, um jogo em que bem se pode dizer que perdeu todo o moral. Porque não sofria golos há sete jogos, os mesmos que venceu consecutivamente, mas chegou à Luz e, perante o 11.º classificado da Liga, não conseguiu impor-se, particularmente numa 1.ª parte muito desinspirada.

Pelo contrário, o Gil Vicente de Ricardo Soares entrou muito seguro em campo, defendendo bem e saindo frequentemente com qualidade para os ataques rápidos, criando muitas dificuldades a um Benfica que teve pouca qualidade com bola e pouca criatividade.

A equipa de Jorge Jesus voltou a aparecer em 3-4-3, com Lucas Veríssimo, Otamendi e Vertonghen a partir de trás, mas nunca pareceu confortável com o sistema, tendo muitas dificuldades em ligar o jogo mais à frente, apesar das muitas tentativas de Taarabt.

O Gil foi mesmo a primeira equipa a dar um sinal de perigo, com um remate de longe de Vítor Carvalho, ao lado. Se o Benfica não criava oportunidades de golo, o Gil continuava a parecer melhor e chegaria mesmo à vantagem, aos 35 minutos: o francês Antoine Léautey teve espaço pela direita, puxou para dentro e rematou de fora da área com potência, surpreendendo Helton Leite.

A vantagem forasteira era merecida e o Benfica só responderia em cima do intervalo, com um cabeceamento torto de Waldschmidt, após cruzamento de Diogo Gonçalves.

À entrada para a 2.ª parte, o Gil tinha mais remates efetuados do que o Benfica (cinco contra quatro) e Jorge Jesus não gostava do que via: tirou Veríssimo e desfez a defesa a três, para fazer entrar para a frente de ataque Everton.

Ainda assim, mal o jogo foi retomado, foi mesmo o Gil quase a chegar ao 2-0, num contra-ataque rápido que Lourency não conseguiu finalizar com qualidade. Perto da baliza de Denis, era Seferovic a criar finalmente algum perigo, após dois remates consecutivos, mas nenhum deles acertou na baliza.

O Benfica estava finalmente mais afoito no ataque, empurrando o Gil para trás, mas a lentidão de circulação da bola não permitia criar grandes ocasiões. Já depois de novo remate torto de Seferovic, Jesus fez entrar Pizzi e Darwin para os lugares de Taarabt e Waldschmidt, mas as melhorias não foram muito claras.

Depois de um cruzamento de Rafa pela direita, Seferovic voltou a ter um remate perigoso, mas a falhar a baliza - algo que Lourency não voltou a imitar. A dez minutos do final, num belo lance de ataque pela esquerda, Lourency aproveitou o espaço que lhe concederam e acelerou até à área, onde rematou certeiro para o 2-0.

Já com poucos minutos para tentar a reviravolta, o Benfica continuou a tentar empurrar o Gil para trás, já com Pedrinho e Cervi em campo por troca com Weigl e Grimaldo, e iria mesmo reduzir, já aos 87': depois de um remate de Rafa, Denis defendeu para a frente e a bola acabou por embater no colega Vítor Carvalho, entrando assim na baliza.

Mas o autogolo não seria suficiente para o empate - mesmo que Otamendi tivesse estado perto do 2-2 num último remate ao lado, à beira da área gilista. O Benfica interrompe assim um ciclo vitorioso que tinha voltado a deixar a equipa otimista e vê a distância para o líder Sporting aumentar, para 12 pontos. Resta saber o que fará o FC Porto, que está, para já, três pontos à frente dos benfiquistas, e que joga domingo na Madeira, perante o Nacional, último classificado da Liga.