Tribuna Expresso

Perfil

PUBLICIDADE
Futebol nacional

Ainda não foi desta que acabou o super Sporting

O Sporting esteve a perder por dois golos de diferença com a BSAD, em Alvalade, mas conseguiu empatar, já nos descontos (2-2). E ainda não foi desta que perdeu na Liga portuguesa

Tribuna Expresso

NurPhoto

Partilhar

Em semana de terramoto no futebol mundial, com o anúncio da (entretanto extinta...) Superliga, nada como um belo exemplo para nos relembrarmos que o mérito desportivo se conquista dentro das quatro linhas, onde quase tudo é possível durante 90 minutos. Como, por exemplo, o 10.º classificado da Liga portuguesa ir ao campo do líder, que ainda não perdeu na prova esta época, e colocar-se em vantagem, por dois golos, praticamente até ao final ao jogo.

Mas se há algo de super nesta história, é mesmo o Sporting, que continua, 28 jogos depois, sem perder qualquer partida na Liga, apesar de estar a aumentar nos tempos mais recentes a contagem de empates: já lá vão sete, com este último a ser conseguido já nos descontos.

Voltando ao início: Rúben Amorim decidiu lançar esta noite, em Alvalade, Tiago Tomás, relegando para o banco Daniel Bragança e apresentando então novamente três jogadores mais à frente, ou seja, TT numa ala, Pote noutra e Paulinho no corredor central.

Se a entrada em jogo do Sporting foi positiva, o mesmo se pode dizer da BSAD: a equipa de Petit, já conhecida por fechar muito bem os caminhos para a sua baliza, ia saindo com qualidade para o ataque e foi numa dessas saídas pelo corredor esquerdo que chegou ao primeiro golo.

Aos 13', Miguel Cardoso aproveitou a ausência de Porro no corredor para enfrentar Inácio e o atraso de Palhinha para fechar a cobertura do colega significou que Varela conseguiu receber o passe e tirar Coates da área, abrindo espaço para que Mateo Cassierra aparecesse, à ponta de lança, a desviar para o 1-0.

A bela jogava premiava os processos simples e eficazes do ataque da BSAD e motivava claramente a equipa de Petit, que a partir daí cresceu no jogo, tendo até bons períodos no meio-campo adversário, ao contrário do Sporting, que pareceu algo atordoado pelo embate inesperado.

O Sporting ia tentando aproximar-se da área da BSAD, mas, depois de tentativas pouco frutíferas de Palhinha, de cabeça, e de Paulinho, à entrada da área, teve de esperar até aos últimos minutos para da 1.ª parte para ter a maior oportunidade de golo até então. Numa excelente investida pela esquerda, Nuno Mendes entrou na área, escapando a Henrique, mas o defesa da BSAD fez um carrinho que derrubou o lateral do Sporting.

Chamado a marcar o penálti que poderia empatar o jogo em cima do intervalo, João Mário... falhou. Ou melhor, Kritciuk defendeu, com uma grande estirada para o seu lado direito.

À entrada para a 2.ª parte, Rúben Amorim, a ver o jogo na bancada (ainda terá de cumprir mais um jogo de castigo, frente ao Sporting de Braga), mexeu logo, quiçá admitindo que a mudança no onze inicial não correu bem: saiu Tiago Tomás, entrou Nuno Santos.

Logo nos primeiros minutos, o Sporting pareceu por cima do jogo, com Palhinha a ter na cabeça o empate, mas Kritciuk voltou a defender. Quando parecia que a equipa da casa estava a crescer, mais um embate: Inácio atrasou a bola para Adán e o guarda-redes do Sporting, por momentos, não se decidiu... e perdeu a bola para Cassierra, que estava ali à espreita, e fez mesmo o 2-0.

De repente, a tarefa do Sporting crescia a proporções hercúleas, até porque a equipa de Petit rapidamente aproveitou o 2-0 para se remeter ao seu próprio meio-campo, fechando em 5-4-1 os caminhos para a sua baliza.

Amorim voltou a responder logo à adversidade, retirando Porro e colocando em campo Tabata, uma mexida que seria tónico para as seguintes: quando o golo não apareceu, entraram também Daniel Bragança e Jovane, e, a seguir, Matheus Nunes, para as saídas de Palhinha, João Mário e Matheus Reis.

Com tantas mudanças, o Sporting foi perdendo algum fio condutor, mas houve mais oportunidades para golo, na cabeça de Paulinho e nos pés de Tabata, mas seria uma solução bem antiga a ser a receita para o sucesso: Coates como ponta de lança.

O central juntou-se a Paulinho na frente de ataque e, aos 83', depois de um cruzamento de Nuno Santos pela esquerda, cabeceou para o 2-1 da esperança.

Os últimos minutos foram obviamente frenéticos, com o Sporting a dar tudo, pela esquerda, pela direita e pelo meio, para empatar o jogo, e o golo iria mesmo surgir, já nos descontos, desta vez num penálti bem concretizado.

Dentro da área, Jovane endossou a bola na direção de Tiago Esgaio e o defesa da BSAD tocou-a com o braço, com o árbitro Nuno Almeida a assinalar penálti e o próprio Jovane a pegar na bola para fazer o 2-2.

Logo depois, o jogo terminaria, com um enorme suspiro de alívio dos sportinguistas: ainda não foi desta que o Sporting perdeu... mas o final do campeonato começa a ficar apertado.

A equipa de Rúben Amorim tem agora 70 pontos, mais sete do que o FC Porto, mas os portistas jogam quinta-feira frente ao Vitória de Guimarães, pelo que, em caso de vitória, podem reduzir a distância para o líder, para quatro pontos, quando faltam seis jornadas para o final da Liga.