Tribuna Expresso

Perfil

PUBLICIDADE
Futebol nacional

Dá para rodar tudo... menos Taremi

O FC Porto venceu o Famalicão, por 3-2, no Dragão, mantendo assim a pressão sobre o líder Sporting, e a vantagem sobre o Benfica, antes da visita à Luz, num clássico que pode decidir... o 2.º lugar

Tribuna Expresso

Quality Sport Images

Partilhar

No primeiro jogo depois do castigo de 21 dias imposto a Sérgio Conceição, houve um novo FC Porto. Não só pela ausência do treinador principal, mas pelas mexidas inesperadas no onze frente ao Famalicão: ao contrário do que é habitual, Sérgio Oliveira e Marega começaram no banco, dando lugar a Francisco Conceição e Toni Martinez; e Pepe, castigado, cedeu a posição a Diogo Leite, assim como Nanu saiu do onze, permitindo a entrada de Grujic para o meio-campo e a descida de Corona para a lateral direita.

As mexidas foram muitas mas foram também eficazes, uma vez que o FC Porto entrou bem no Dragão e demorou apenas oito minutos a chegar ao primeiro golo, depois de um belo passe de Corona para Taremi, com o avançado iraniano a mostrar por que razão é indispensável na frente de ataque: não só marca como também serve na perfeição os colegas, no caso, Toni Martinez, que fez o 1-0.

Se a nova lateral direita portista, com Corona por dentro e Francisco Conceição por fora, parecia prometer em termos ofensivos, não foi possível confirmá-lo na prática. É que, aos 17', Corona teve mesmo de sair lesionado, provavelmente preocupando Sérgio Conceição, que via da bancada, já que se segue um clássico na Luz - talvez também essa a razão para o "descanso" de Marega e Sérgio Oliveira - e este último poderia ter sido suspenso caso fosse amarelado.

Com a saída de Corona, e a entrada de Zaidu, o FC Porto ficou necessariamente diferente em termos ofensivos, tendo mais dificuldade em chegar a zonas de finalização. Pelo contrário, o Famalicão de Ivo Vieira ganhou mais preponderância na posse de bola, aproximando-se mais frequentemente da área contrária, ainda que sem oportunidades clara de golo.

Mesmo assim, bastou um remate certeiro para o Famalicão empatar. Em cima do intervalo, num livre direto perto da área portista, Ivo Rodrigues acertou em cheio na baliza de Marchesin, que ficou preso ao chão.

À entrada para a 2.ª parte, Sérgio Conceição manifestava que queria mais e melhor: tirou Francisco Conceição e fez entrar Luiz Diaz, para tentar mexer com a frente de ataque.

Mas seria, mais uma vez, Taremi a resolver os problemas ofensivas dos portistas: já na área, o avançado foi pontapeado inadvertidamente por Diogo Queirós e foi o próprio Taremi a converter o castigo para o 2-1.

O FC Porto voltava a estar por cima do jogo, cortesia do seu melhor marcador esta época, com 13 golos, e não demoraria muito mais a chegar ao terceiro golo. Lançada a bola para a área, num livre lateral de Otávio - esta noite o capitão portista -, Grujic apareceu a cabecear para o 3-1 da tranquilidade.

Tudo corria de feição ao FC Porto no último quarto de hora do jogo... até aos 90'. Aí, Anderson apareceu a fazer o 3-2 e a animar os minutos finais da partida.

Na verdade, nada o fazia prever, mas o FC Porto acabou mesmo por sofrer muitíssimo nos minutos de descontos, já que o Famalicão aproveitou o embalo para colocar mais bolas na área de Marchesin, ganhar cantos consecutivos e pressionar fortememente os portistas.

Mas a equipa de Sérgio Conceição aguentou a vantagem até ao final, pelo que poderá viajar mais descansada até à Luz, quinta-feira, com quatro pontos de vantagem sobre o rival, na luta pelo... 2.º lugar. Pelo 1.º, tudo mais difícil, caso o Sporting vença o Nacional, no sábado. Mas, para já, com esta vitória, os portistas ficaram a apenas três pontos dos sportinguistas.