Tribuna Expresso

Perfil

PUBLICIDADE
Futebol nacional

Tiraram-lhes o chapéu. E a época

Depois da expulsão precoce de Helton Leite, o Braga adiantou-se com um chapéu perfeito de Lucas Piazón e fechou a conquista da Taça de Portugal já perto do final, com um remate certeiro de Ricardo Horta. O Benfica de Jorge Jesus fecha a época 2020/21 sem qualquer troféu

Tribuna Expresso

CARLOS COSTA

Partilhar

Dois centrais ou três centrais? Antes do jogo, já se adivinhava que o Benfica de Jorge Jesus provavelmente iria recorrer ao seu sistema secundário para travar o Braga, tal como já tinha feito durante a época. Mas a dúvida cresceu quando se percebeu que Veríssimo estava lesionado e Vertonghen em dúvida. Se o último ainda recuperou, o primeiro ficou fora, mas nem assim Jesus optou pelos dois centrais: Morato foi escolhido para ser titular, como tinha acontecido frente ao Vitória, e foi mesmo com três centrais que o Benfica começou a final da Taça de Portugal.

O sistema pretendia, obviamente, dar mais conforto à equipa, principalmente defensivamente, já que o Braga de Carvalhal costuma atacar em 3-4-3. Mas o futebol da antevisão dos jogos nunca é exatamente o futebol dos 90 minutos, quando tudo pode acontecer.

É daqueles clichés da bola, mas não deixa de ser verdadeiro: cada jogo é um jogo, por muitos jogos que as equipas já tenham disputado entre elas durante a época - e estas já tinham cumprido três, com um saldo de duas vitórias para o Braga e uma para o Benfica.

Mas cada jogo é um jogo, porque a qualquer momento tudo pode mudar: quando Abel Ruiz foge nas costas da defesa do Benfica e Helton Leite sai da baliza para intercetar a bola... o jogador bracarense acaba no chão e o árbitro Nuno Almeida entendeu expulsar o guarda-redes benfiquista.

CARLOS COSTA

Aos 17', passava a jogar-se um outro jogo, de 11 contra 10, e mesmo assim Jesus optou por manter os três centrais: fez sair Pizzi para a entrada de Odysseas. O jogo, que até então estava muito equilibrado, passou a ter muito maior domínio bracarense e foi a equipa de Carlos Carvalhal a ter a primeira grande oportunidade: Ricardo Horta preparava-se para encostar para golo um cruzamento de Abel Ruiz, após um grande passe de Al Musrati, mas Otamendi apareceu na hora certa a fazer um grande corte, no centro da área.

Ainda assim o golo surgiria pouco depois, já em cima do intervalo. Em nova bola para a profundidade, para a desmarcação de Abel Ruiz, Vertonghen fez o corte de cabeça, mas Odysseas já tinha entretanto (num lance parecido ao de Helton...) saído da baliza, e a bola acabou por sobrar para os pés de Lucas Piazón, que, de primeira, fez um chapéu perfeito ao guardião.

O Braga entrava na 2.ª parte em vantagem e muito mais confortável no jogo do que o Benfica, tendência que iria manter-se desde início: um remate de Castro obrigou Odysseas a grande defesa logo nos primeiros minutos e, depois, Ruiz apareceu na zona de penálti, a cruzamento de Galeno (sempre uma enorme dor de cabeça pela direita da defesa do Benfica), a desviar ao lado.

Jorge Jesus não gostava do que via e rapidamente decidiu mudar: aos 55', tirou Diogo Gonçaves, Everton e Seferovic e fez entrar Nuno Tavares, Rafa e Darwin.

Mas as mudanças demorariam a ter efeito: Galeno voltava a fazer das suas pelo corredor esquerdo e agora era Nuno Tavares a ser ultrapassado, mas o remate do bracarense saiu por cima.

A falta de eficácia da equipa de Carlos Carvalhal - e a saída de Al Musrati, por lesão (grande exibição) - ia dando alento ao Benfica, que ia tentando criar perigo na frente através da velocidade de Rafa e de Darwin, mas sem criar verdadeiras oportunidades de golo.

Já aos 85', o golo da tranquilidade para os bracarenses: depois de uma excelente recuperação de bola de Esgaio perante Rafa, já no meio-campo do Benfica, o lateral encontrou Ruiz junto à área e o avançado ofereceu o segundo golo a Ricardo Horta.

A final ficava decidida, mas ainda haveria tempo para cenas tristes. Depois de uma falta, Taarabt virou-se a Piazón e o treinador de guarda-redes do Braga, Eduardo, meteu-se no barulho, criando uma enorme confusão que acabou com os três intervenientes expulsos.

Retomados os últimos minutos, Chiquinho ainda teve um golo nos pés, a cruzamento de Rafa, mas rematou ao lado. O Braga venceu o Benfica, que acaba assim a época sem vencer qualquer troféu. Jorge Jesus disse na antevisão que ganhar a Taça não salvaria a época da equipa. E perdê-la?