Tribuna Expresso

Perfil

PUBLICIDADE
Futebol nacional

Estoril Praia

O perfil do Estoril Praia para a época 2021/22: como evoluiu, como joga e quem são os jogadores mais importantes

Tiago Teixeira

Gualter Fatia/Getty

Partilhar

Treinador: Bruno Pinheiro

Época 20/21: 1.º lugar na segunda liga

Depois de uma época fantástica, que culminou com a conquista da segunda liga e consequente subida de divisão, o Estoril vai agora marcar presença entre os melhores do futebol português, algo que não acontecia desde a época 2017/18. O plantel sofreu algumas mexidas, mas a ideia de Bruno Pinheiro não mudará – futebol positivo e sem medo de ter a bola. A contratação de Francisco Geraldes, médio que encaixa perfeitamente na ideia de jogo, é o principal destaque do mercado de transferência.

Organizados em 4-3-3, o Estoril procurará uma construção apoiada desde trás – com os centrais, mais o médio defensivo (Gamboa será indiscutível) numa primeira fase –, sempre com a preocupação de oferecer ao portador da bola várias linhas de passe. Os centrais não têm medo de assumir e procuram muitas vezes o passe vertical para os médios-interiores receberem entre linhas – também será comum vermos os interiores mais abertos nos corredores laterais, em trocas posicionais, com os extremos a virem dentro.

No meio-campo, Crespo e Geraldes serão as principais figuras. Sem medo de terem a bola e assumir o jogo, garantem a qualidade técnica, capacidade de associação e criatividade necessária para o Estoril ser capaz de construir e criar pelo corredor central. Há ainda André Franco, jovem médio com qualidade técnica e critério.

Na frente, Bruno Pinheiro conta com a velocidade e capacidade de desequilíbrio de jovens como Chiquinho, Bruno Lourenço e Achouri. Leonardo Ruiz – reforço que oferece mobilidade na frente de ataque e garante qualidade em zonas de finalização – e André Glóvis, competirão pelo lugar de principal referência ofensiva.

JOGADOR CHAVE

Miguel Crespo, 24 anos. Foi eleito o melhor jogador da segunda liga e foi peça fundamental na época do Estoril. Além do que oferece em zonas de construção e criação (muita qualidade técnica, inteligência e capacidade de servir as zonas de finalização), Crespo é também um médio que aparece muito bem para finalizar – movimentação e remate. Será fundamental na manobra ofensiva de Bruno Pinheiro.

JOGADOR A SEGUIR

Chiquinho, 21 anos. O extremo participou em apenas 16 jogos na época passada, mas espera-se que esta época tenha mais oportunidades – a saída de André Vidigal abre espaço – para mostrar o seu potencial. É um extremo com qualidade técnica, velocidade e capacidade de desequilibrar no 1x1. Pode ser muito importante nos últimos 30 metros.

11 Provável