Tribuna Expresso

Perfil

PUBLICIDADE
Futebol nacional
Blessing Lumueno

Blessing Lumueno

Treinador de futebol

O futebol dos sistemas táticos

Os treinadores, em Portugal, lutam para ser as estrelas maiores de um jogo que continua a ser decidido pelos jogadores e sobrestimam a sua capacidade transformadora dos mesmos. Pensam que podem transformar água em vinho, e que nas suas mãos, por menor que sejam os indicadores de potencial, qualquer jogador se transformará no próximo grande craque. Cada vez mais acreditam nos sistemas táticos e no que vem da sua cabeça; cada vez dão menos preponderância aos que têm capacidade para elevar o jogo para o próximo nível

Blessing Lumueno

DeFodi Images

Partilhar

Hoje, o futebol joga-se de forma mais evoluída do que na década anterior e para lá das alterações — ao longo do tempo — em algumas regras do jogo, essa evolução também se deu pela maior competência tática das equipas. Com isso, os desafios que se colocam aos jogadores são cada vez mais complexos, por serem obrigados a pensar mais, mais depressa e a executar com maior precisão.

Em Portugal não foi diferente. Até há pouco tempo, havia poucos treinadores de quadro tático, com pormenor na construção do seu modelo de jogo, com coerência na forma de treinar os comportamentos pedidos aos jogadores e com preocupações coletivas e individuais para cada posição, para a relação entre jogadores do mesmo sector e com a articulação entre os diferentes sectores. Resumindo, o jogo está mais tático, mais técnico, e mais físico.

A contrapartida mais atual dessa revolução no jogo é a sobrevalorização dos sistemas táticos, sem que isso signifique necessariamente maior conforto para quem joga, melhores condições para que os diferenciados possam aparecer. O jogo era dos jogadores e a evolução tem sido no sentido de ser cada vez mais de quadro tático e menos de grandes momentos individuais.

Os treinadores, na sua generalidade, não admitem jogadores que fujam do padrão de movimentos e ações técnicas instituídas pelo modelo de jogo, e com isso vilipendiam a criatividade e o improviso.

Este é um artigo do semanário Expresso. Clique AQUI para continuar a ler.