Tribuna Expresso

Perfil

PUBLICIDADE
Futebol nacional

Jorge Simão: “Tenho algumas coisas na cabeça que a quente não quero partilhar, mas precisamos de fazer uma reflexão profunda”

Treinador do Paços de Ferreira considera que houve um jogo da sua equipa antes dos 78 minutos e outro a seguir aos 78 minutos e acredita que a derrota por 4-1 na Luz acaba por ser muito penalizadora face ao que se viu em campo

Tribuna Expresso

Gualter Fatia/Getty

Partilhar

Derrota dura

“Tenho algumas coisas em mente que não me interessa partilhar. Houve partes distintas do jogo: até aos 78 minutos e depois dos 78 minutos. Acho que até aos 78 minutos foi uma exibição extremamente consistente, com sensação de estabilidade. Estava muito difícil para o Benfica criar possibilidades de fazer golo, mesmo que a bola rondasse mais vezes a nossa baliza. Mas sentia que estávamos confortáveis e que numa aproximação à baliza poderíamos fazer o segundo golo. O momento do 1-1 confesso que não gostei. Tenho algumas coisas na cabeça que a quente não quero partilhar, mas precisamos de fazer uma reflexão profunda sobre o que aconteceu a partir dai. O resultado é tremendamente penalizador para o que conseguimos fazer aqui”

Pontos positivos

“78 minutos no Estádio da Luz que foram muito positivos. E eu acho que é muito redutor olhar para o que temos vindo a fazer só pelos resultados. É importante perceber contra quem jogamos, a sequência que estamos a viver. E mais importante é ver a qualidade do nosso jogo em vários jogos que aqui e ali não tiveram correspondência no resultado. Este resultado hoje não corresponde ao que vimos em jogo”

Ausência de Eustáquio

“Não foi hesitar, é perceber o contexto. Tinha jogador a poucas horas de viajar, fez uma viagem longa, uma mudança de fuso horário com seis horas de diferença. São muitas horas num curto período de tempo que não permitia uma recuperação plena. Daí a ideia de não entrar de início”