Tribuna Expresso

Perfil

Jogos Olímpicos

Adiamento dos Jogos traz "tranquilidade a atletas e organizações desportivas", diz líder do Comité Olímpico de Portugal

José Manuel Constantino diz que decisão "corresponde ao apelo de um número significativo de organizações desportivas" e é "sobretudo positivo que não se tenha esperado quatro semanas" por uma deliberação final

Lusa

Presidente do COP é o único candidato para o quadriénio 2017/2020

Nuno Botelho

Partilhar

A decisão de adiar os Jogos Olímpicos Tóquio2020 para o próximo ano, anunciada esta terça-feira pelo Comité Olímpico Internacional (COI), traz "tranquilidade a atletas e organizações desportivas", disse à Lusa o presidente do Comité Olímpico de Portugal (COP).

"É positivo e corresponde ao apelo de um número significativo de organizações desportivas. É sobretudo positivo que não se tenha esperado pelas quatro semanas [que o Comité Olímpico Internacional tinha sinalizado como prazo para uma decisão]", explicou José Manuel Constantino, em reação à Lusa ao adiamento dos Jogos face à pandemia da covid-19.

Segundo o líder do COP, a decisão traz tranquilidade, particularmente para atletas e organizações de países "com fortes limitações ao treino e preparação".

Mesmo que a decisão parecesse "inevitável", surpreende "que tenha sido tão rápida", confessa Constantino, que já tinha pedido uma tomada de posição firme e célere ao Comité Olímpico Internacional (COI).

Alertando que a data específica não está ainda encontrada, estando balizada "entre o verão de 2020 e o verão de 2021", o "mais natural seria replicar um ano depois", explica, ainda que seja preciso "olhar para os calendários internacionais e ver como está a situação", além da própria evolução da pandemia.

"É positivo que não se tenha esperado pela definição da nova data e se tenha anunciado ao mundo que se adiam os Jogos", remata.

O Comité Olímpico Internacional (COI) e o Comité Organizador dos Jogos anunciaram, em comunicado, o adiamento dos Jogos, uma medida que já tinha sido comunicada pelo primeiro-ministro do Japão, Shinzo Abe.