Tribuna Expresso

Perfil

Jogos Olímpicos

Primeiro-ministro do Japão já pediu adiamento dos Jogos Olímpicos por um ano

Televisão estatal do Japão diz que esta foi a proposta em discussão numa conversa por videoconferência entre o Shinzo Abe e o líder do Comité Olímpico Internacional, Thomas Bach, que terá aceitado o pedido

Lusa

Clive Rose/Getty

Partilhar

O primeiro-ministro do Japão, Shinzo Abe, decidiu propor ao Comité Olímpico Internacional o adiamento dos Jogos Olímpicos Tóquio2020 por um ano devido à pandemia da covid-19, anunciou esta terça-feira a televisão pública japonesa NHK.

Segundo a mesma fonte, citada pelas agências internacionais, esta é a proposta em discussão na conversa por videoconferência entre o primeiro-ministro japonês e o líder do Comité Olímpico Internacional (COI), Thomas Bach, que está a decorrer.

A NHK refere ainda que Shinzo Abe quer que a decisão do COI seja tomada "o mais rápido possível".

No domingo, o COI anunciou que vai deliberar num período de quatro semanas sobre a realização dos Jogos Olímpicos Tóquio2020, que deverão decorrer entre 24 de julho e 09 de agosto, devido à pandemia da Covid-19, com o adiamento na agenda, mas não o cancelamento.

Na segunda-feira, o primeiro-ministro japonês, admitiu pela primeira vez que "a decisão de adiar poderá ser inevitável", reconhecendo que "a prioridade são os atletas".

O Canadá e a Austrália já anunciaram que, caso os Jogos se realizem nas datas previstas, os seus atletas não deverão participar.

O Comité Olímpico de Portugal (COP) pediu na segunda-feira firmeza e rapidez no anúncio de uma solução de adiamento dos Jogos Olímpicos Tóquio2020, numa carta enviada ao presidente do COI.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da covid-19, já infetou mais de 345 mil pessoas em todo o mundo, das quais mais de 15.100 morreram.

Depois de surgir na China, em dezembro, o surto espalhou-se por todo o mundo, o que levou a Organização Mundial da Saúde (OMS) a declarar uma situação de pandemia.

Vários países adotaram medidas excecionais, incluindo o regime de quarentena e o encerramento de fronteiras.

Em Portugal, há 23 mortes e 2.060 infeções confirmadas, segundo o balanço feito segunda-feira pela Direção-Geral da Saúde. Portugal encontra-se em estado de emergência desde as 00:00 de quinta-feira e até às 23:59 de 02 de abril.