Tribuna Expresso

Perfil

Jogos Olímpicos

Covid-19. Japão nega que vá dar prioridade aos seus atletas olímpicos na vacinação

O ritmo de vacinação não está a correr bem por terras nipónicas e o governo viu-se obrigado a negar uma notícia da agência Kyodo que colocava os atletas olímpicos entre os grupos prioritários, numa altura em que os idosos do país ainda não começaram a ser vacinados

Tribuna Expresso

KAZUHIRO NOGI/Getty

Partilhar

Com o número de casos a crescer no país e um processo de vacinação que decorre a ritmo bem mais lento que o das potências ocidentais, o governo japonês negou que os atletas olímpicos do país estejam nos grupos prioritários de vacinação, quando faltam pouco mais de três meses para o início dos Jogos Olímpicos de Tóquio.

O desmentido surge depois da opinião pública japonesa reagir com indignação a uma reportagem da agência Kyodo que, citando membros do governo, revelava que os responsáveis nipónicos ponderavam vacinar todos os atletas olímpicos e paralímpicos até ao final de junho.

De acordo com dados da Reuters, o Japão vacinou apenas cerca de um milhão de pessoas com a primeira dose da vacina da Pfizer, entre uma população de 126 milhões. O grupo de cidadãos com idade mais avançada só deverá começar a ser vacinado a partir da próxima semana.

O Japão já havia negado que os seus atletas olímpicos fossem inoculados com a vacina da Sinovac, depois do Comité Olímpico Internacional (COI) anunciar a compra de doses à empresa chinesa para vacinar atletas para os Jogos Olímpicos de Tóquio, que deverão arrancar a 23 de julho, e também para os Jogos Olímpicos de Inverno de 2022, em Pequim.

No mês passado, o presidente do COI, Thomas Bach, revelou que “um número significativo de equipas olímpicas já foram vacinadas”, mas que estar ou não vacinado não será um factor de exclusão dos Jogos.

Em Portugal, os atletas olímpicos não fazem parte de grupos prioritários mas o COP já pediu esclarecimentos à ministra da Saúde, Marta Temido, sobre a possibilidade de vacinar a comitiva para Tóquio. A 3 de março, o presidente do COI enviou uma carta ao Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, com um pedido para que sensibilizasse o governo português para a importância da vacinação da missão de Portugal para os Jogos de Tóquio.

Entre as grandes potências, a Rússia é uma das nações que já assegurou que quer vacinar os atletas - apesar do país estar banido dos Jogos devido aos escândalos de dopagem, muitos desportistas russos estarão em Tóquio sob bandeira neutra.

Já nos Estados Unidos, o próprio ritmo de vacinação deverá assegurar que antes do início dos Jogos já a faixa etária dos atletas olímpicos esteja vacinada.