Tribuna Expresso

Perfil

PUBLICIDADE
Tóquio 2020

Tóquio 2020

Jogos Olímpicos

Tóquio 2020. Na estreia do skate, Gustavo Ribeiro quer "trazer uma medalha para Portugal"

Atleta do Pragal tem grandes ambições para os Jogos Olímpicos e acredita que a sua presença em Tóquio 2020 vai chamar “muitos jovens” para a sua paixão de sempre, contribuindo para desmistificá-la como um “desporto marginal”

Lusa

MediaNews Group/Pasadena Star-Ne

Partilhar

Gustavo Ribeiro sonha em trazer uma medalha para Portugal na estreia do skate em Jogos Olímpicos, sabendo que isso o contribuirá também para concretizar a firme vontade de ser o mais virtuoso de todos nesta modalidade.

“O meu primeiro campeonato foi quando tinha seis anos e aos oito passei a levar as coisas mais a sério e a querer ser o melhor do mundo. Sempre tive isso na cabeça e desde aí que trabalho para que esse dia chegue”, disse à Lusa o desportista que recebeu a primeira prancha quando tinha cinco anos, no Natal.

O ‘skateboarder’ de Almada sabe que lutar pelo ouro na disciplina de ‘street’ [rua] o vai ajudar ainda a “tentar elevar” o skate português a nível internacional, “colocando-o no mapa”.

Apesar de integrar a elite internacional, Gustavo Ribeiro entende que “há sempre margem” para evoluir, nomeadamente na forma de encarar este desporto e a competição.

“O meu ponto forte é a minha consistência e a ‘cabeça’. Um dos pontos sempre a melhorar é a tua cabeça e como vês as coisas. Podes ser um atleta muito bom, mas se não tiveres cabeça e foco, deitas muitas coisas a perder”, considerou.

Em 22 de maio último, um acidente em prova nos Estados Unidos resultou em lesão no ombro que o obrigou a parar e condicionou o resto da época: não está “ainda a 100%”, porém continua “muito confiante”.

“Quando vais para os Jogos Olímpicos o trabalho não é de dois meses, mas de alguns anos. Vou fazer o que faço há bastantes anos e não colocar muita pressão sobre mim. Estou bastante confiante”, realçou.

Gustavo Ribeiro admitiu que não pensava ver a modalidade no programa dos Jogos Olímpicos, contudo defendeu que esta é uma “evolução” no evento e uma forma de cativar os mais novos, menos interessados “nos mesmos desportos repetitivos”.

O competidor do Pragal acredita que a sua presença em Tóquio 2020 vai chamar “muitos jovens” para a sua paixão de sempre, contribuindo para desmistificá-la como um “desporto marginal”.

Por isso, desafia os mais novos a “nunca desistirem dos sonhos” e a apostarem no que realmente gostam, “independentemente do tamanho de Portugal e das oportunidades que o país encerre”, apresentando-se como o melhor exemplo do resultado dessa forma de pensar.

“Se é um sonho, nunca desistam que isso aconteça”, exultou.

Assumindo o desejo de “trazer uma medalha para Portugal”, espera “fazer história” no Japão e “orgulhar” todos os que têm estado ao seu lado “e a nossa nação”.

Gustavo Ribeiro vai ser um dos estreantes da modalidade em Tóquio 2020, nas provas de Rua, marcadas para o primeiro domingo dos Jogos, dia 25.

Os Jogos Olímpicos Tóquio2020 vão ser disputados entre 23 de julho e 8 de agosto, depois do adiamento em um ano devido à pandemia de covid-19.