Tribuna Expresso

Perfil

PUBLICIDADE
Tóquio 2020

Tóquio 2020

Jogos Olímpicos

Chegou à final dos 400 metros livres na última posição, mas só parou no ouro: Ahmed Hafnaoui é uma das maiores surpresas de Tóquio

Com apenas 18 anos, o nadador tunisino é o protagonista dos 400 metros livres nos Jogos Olímpicos, ao vencer a medalha de ouro após se ter qualificado para a final com o tempo mais lento. Ahmed Hafnaoui teve uma evolução, no mínimo, surpreendente ao longo de 2021

Rita Meireles

Fred Lee

Partilhar

Os Jogos Olímpicos continuam a ser palco de várias surpresas. No segundo dia de provas na piscina, Ahmed Hafnaoui, da Tunísia, foi o protagonista de mais uma - e uma das maiores até agora.

O jovem de 18 anos venceu a medalha de ouro nos 400 metros em estilo livre, após se ter classificado para a final na oitava posição, entre oito nadadores.

O que torna a vitória de Hafnaoui tão surpreendente é a rápida melhoria que conseguiu fazer nos seus tempos. No início deste ano, 3 minutos e 49.90 segundos foi o tempo mais rápido do nadador. Uma diferença de seis segundos para os números que lhe valeram o ouro em Tóquio: 3:43.36.

A fechar o pódio ficaram o australiano Jack McLoughlin, que venceu a medalha de prata, e o norte-americano Kieran Smith, medalha de bronze.

“No início fiquei surpreendido por ser finalista e agora estou surpreendido por ter ganhado uma medalha de ouro. Eu trabalhei muito com o meu treinador, foi só isso”, explica o atleta tunisino, quando questionado relativamente à sua evolução ao longo dos últimos tempos.

ATTILA KISBENEDEK/Getty

À "Folha de S. Paulo", o nadador confirmou a surpresa e ainda incrédulo, garantiu: “Ainda estou meio perdido. Já ouvi que sou herói nacional. Não sei o que dizer. Eu tinha a ambição de chegar aqui e conseguir um bom resultado, mas isto é a sensação mais incrível da minha vida”.

O segundo classificado na final foi quem acabou por responder aos que levantaram preocupações em relação à realização de testes antidoping em tempos de pandemia.

“Tivemos testes rigorosos em casa, como é normal. Penso que em todo o mundo tem sido a mesma coisa. Desde que aqui estamos temos feito bastantes testes e os japoneses têm feito um bom trabalho ao realizarem testes antidoping a toda a gente, por isso acho que não há nada a dizer sobre isso”, afirmou McLoughlin.

Esta foi apenas a quinta medalha da Tunísia na história dos Jogos Olímpicos.