Tribuna Expresso

Perfil

PUBLICIDADE
Tóquio 2020

Tóquio 2020

Jogos Olímpicos

The kids are all right, pelo menos aparentemente. E só houve basquetebol e não política no Estados Unidos - Irão

Talvez há uns anos isto não fosse possível, mas hoje um Estados Unidos - Irão é apenas um jogo entre duas equipas de basquetebol. Depois de entrar no torneio olímpico a perder, a seleção norte-americana arrasou os frágeis iranianos por 120-66, mas o mais bonito que se viu no Saitama Super Dome foram jogadores e treinadores a conviverem e a cumprimentarem-se, deixando de lado as quezílias políticas dos dois países. O desporto já provou que é superior a tudo isso

Gregory Shamus/Getty

Partilhar

Em 1998, Estados Unidos e Irão calharam no mesmo grupo do Mundial de futebol. Fez-se uma fanfarra à volta do jogo, criou-se um ambiente de rivalidade, de guerra, afinal os dois inimigos políticos figadais iam encontrar-se num relvado de futebol. Havia polícia de choque nas ruas de Lyon, medo de ataques terroristas, receio de invasões de campo e que mensagens políticas aparecessem nas bancadas. O líder supremo Ali Khamenei proibiu os jogadores iranianos de caminharem em direção aos norte-americanos para os cumprimentarem, no habitual momento protocolar antes do apito inicial que as regras da FIFA ditam.

Mas como o desporto muitas vezes dá lições à política, em campo federações e jogadores resolveram as coisas à sua maneira: os norte-americanos não tiveram problemas em serem eles a cumprimentar os iranianos. Por sua vez, os futebolistas iranianos ofereceram rosas brancas, símbolo da paz no país, aos rivais. As habituais fotos de grupo foram tiradas em conjunto, jogadores das duas equipas misturados, abraçados uns aos outros. Eram apenas jogadores, futebolistas, homens, não armas de arremesso político.

Artigo Exclusivo para assinantes

No Expresso valorizamos o jornalismo livre e independente

Já é assinante?
Comprou o Expresso? Insira o código presente na Revista E para continuar a ler