Tribuna Expresso

Perfil

PUBLICIDADE
Tóquio 2020

Tóquio 2020

Jogos Olímpicos

Vanessa Ferrari, na quarta participação olímpica, ganha finalmente uma medalha e imita Chusovitina. E recebe umas palavras de Andrea Bocelli

Com um resultado de 14.200 no exercício no solo, a italiana só ficou atrás de Jade Carey (14.366), a ginasta norte-americana que substituiu Simone Biles. "Caríssima Vanessa, exultámos com a tua medalha. Eu sei quanto trabalho, sacrifício, paixão e coração é preciso para se alcançar um resultado como este", disse Bocelli, o autor da música que acompanhou Ferrari na prova

Hugo Tavares da Silva

Laurence Griffiths

Partilhar

Ao som de “Bella Ciao”, um hino antifascista dos tempos da Segunda Guerra Mundial, Vanessa Ferrari ganhou a medalha de prata no exercício no solo nos Europeus de Ginástica, em abril. E explicou a escolha: “Esta medalha é, para mim, um símbolo de resiliência e resistência. É o que mostra a minha história, feita de sucessos, mas também de fracassos. Apesar disso, nunca desisti. Dedico esta medalha a toda a Itália, numa data tão importante para o nosso país, o Dia da Libertação”, disse então, numa alusão ao 25 de abril italiano, de 1945.

Desta vez, nos Jogos Olímpicos do Japão, Ferrari deixou cair o hino antifascista e amparou-se na inspiração de “Con te partirò”, uma música de Andrea Bocelli. E o tilintar do metal olímpico finalmente soou na sua vida.

Com um resultado de 14.200, a italiana só ficou atrás de Jade Carey (14.366), a ginasta norte-americana que substituiu Simone Biles.

Assim, ajustou as contas finalmente com o medalheiro lá de casa.

É que no Rio de Janeiro, há quatro anos, Vanessa Ferrari ficou em quarto no solo, tão perto do bronze. Em Londres, quatro anos antes, acontecera o mesmo, melhorando e muito o que fizera na estreia, em Pequim 2008, com um 18.º lugar.

A menina Ferrari começou a dar nas vistas com 15 anos, quando, nos Mundiais de Ginástica de 2006, conquistou o ouro e se transformou na primeira ginasta italiana a consegui-lo.

Vanessa Ferrari não foi a única a ficar vaidosa com o feito conquistado, naquela que foi a última participação nuns Jogos Olímpicos. O autor da música que a acompanhou rumo à prata já lhe deixou umas palavras.

“Caríssima Vanessa, exultámos com a tua medalha. Eu sei quanto trabalho, sacrifício, paixão e coração é preciso para se alcançar um resultado como este”, disse Andrea Bocelli, depois do exercício no solo, aqui citado pela “Gazzetta dello Sport”, dizendo-se muito feliz por a atleta ter escolhido uma canção sua.

“Envio-te um abraço e espero conhecer-te em breve. Ciao”, disse ainda o tenor italiano.

De acordo com a NBC, Ferrari é, nos últimos 50 anos, apenas a segunda mulher na casa dos 30 a conquistar uma medalha olímpica na ginástica. Vanessa, natural de Orzinuovi, Brescia, segue assim os passos de Oksana Chusovitina, uma mítica ginasta uzbeque que disse adeus aos Jogos Olímpicos em Tóquio, depois de oito participações, numa jornada que começou em Barcelona 1992.