Tribuna Expresso

Perfil

PUBLICIDADE
Tóquio 2020

Tóquio 2020

Jogos Olímpicos

Jogos Olímpicos diferentes, o mesmo pódio: medalhados no lançamento do peso no Rio de Janeiro são os mesmos de Tóquio

Ryan Crouser, Joe Kovacs e Tomas Walsh conseguiram algo nunca antes visto nos Jogos Olímpicos: chegar ao pódio pela mesma ordem, na mesma modalidade, em duas edições diferentes. Pelo caminho, houve ainda tempo para um novo recorde olímpico

Rita Meireles

David Ramos

Partilhar

Estão entregues as medalhas do torneio do lançamento do peso, em Tóquio. Os norte-americanos Ryan Crouser e Joe Kovacs venceram as medalhas de ouro e prata, respetivamente, enquanto que Tomas Walsh, da Nova Zelândia, ficou com o bronze.

E não, esta não é uma notícia sobre os Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro. É a prova de que a história, afinal, se pode repetir.

Pela primeira vez em 125 anos, o pódio de uma das competições foi igual em duas edições consecutivas - Rio de Janeiro, em 2016, e Tóquio, em 2021. São os mesmos atletas, nas mesmas posições.

Ryan Pierse

Mas as marcas históricas não ficaram por aqui. Crouser bateu o recorde olímpico da modalidade, ao fazer um lançamento de 23,30 metros. O norte-americano ficou a oito centímetros do seu recorde mundial.

Entre os restantes atletas, Kovacs fez um lançamento de 22,65 metros e Walsh chegou aos 22,47 metros.

No final da competição, o vencedor fez questão de relembrar o avô, dono do quintal onde Crouser começou a praticar a modalidade.

“Desempenhou um enorme papel na minha carreira de atirador. Sentei-me com ele durante algumas horas após os trials e pude dizer-lhe que era o detentor do recorde mundial. E ele assistiu a esse lançamento no iPad milhares e milhares de vezes”, contou o atleta aos jornalistas após a final, realçando que esta era a última mensagem que desejava escrever ao avô.