Tribuna Expresso

Perfil

PUBLICIDADE
Tóquio 2020

Tóquio 2020

Jogos Olímpicos

O Japão teve estes Jogos, mas já tinha as medalhas da amizade: em 1936, dois japoneses fundiram a prata com o bronze

Shuhei Nishida e Sueo Oe são os vencedores das únicas ‘medalhas da amizade’ da história dos Jogos Olímpicos. Porque a amizade supera a competição, os japoneses recusaram disputar a prata e o bronze um contra o outro

Rita Meireles

ullstein bild Dtl.

Partilhar

Excelência, amizade e respeito, são estes os valores mais importantes para os que vivem o espírito olímpico ao máximo. A prova disso é a recente partilha entre Gianmarci Tamberia e Mutaz Barshim. Os atletas da Itália e do Catar, respetivamente, saltaram a mesma altura no torneio olímpico de salto em altura e, quando confrontados com a opção de desempatar, decidiram partilhar a medalha de ouro.

Mas, muito antes dos Jogos Olímpicos de Tóquio, já dois japoneses tinham deixado a lição bem ensinada no salto com vara.

Conhecidos como os atletas que venceram as 'medalhas da amizade', Shuhei Nishida e Sueo Oe pertenciam ao grupo de cinco que chegou à final da prova em 1936, em Berlim.

Entre os três norte-americanos e os dois japoneses, Bill Graber foi o primeiro a desistir. A marca de 4,35 metros de Earle Meadows, também dos Estados Unidos, acabou por deixar decidida a medalha de ouro. Restavam os dois japoneses e um norte-americano na luta pelas medalhas de prata e bronze.

Bill Sefton, dos EUA, falhou. Seguiu-se a decisão entre Nishida e Oe.

Os colegas e amigos não quiseram competir um contra o outro, optando por partilhar a prata. A organização recusou e fez saber que um atleta teria que ficar com a prata, que acabou por ser Nishida, e o outro com o bronze. A justificação em relação à decisão prendeu-se com o facto de Nishida ter tentado um salto mais alto que o compatriota.

Ainda assim, a decisão não convenceu os japoneses, que, quando regressaram a casa, decidiram fundir as duas medalhas após estas terem sido cortadas ao meio. Ambos ficaram com meio bronze e meia prata, mas até hoje as medalhas são conhecidas como as medalhas da amizade.

Numa Alemanha governada por Hitler, os dois japoneses foram a Berlim deixar uma lição de amizade e bondade. Um exemplo que ficou sempre associado àquilo que os Jogos realmente representam.

  • Adeus Tóquio, tivemos os nossos desencontros, mas isto até correu bem (a crónica do encerramento dos Jogos Olímpicos de 2020)
    Jogos Olímpicos

    As cerimónias de encerramento dos Jogos Olímpicos são sempre mais protocolares que as de abertura, a de Tóquio ainda mais por ter menos atletas e pelo cansaço que já se apodera de toda a gente depois de dias e dias a levar com 40 graus e percentagens loucas de humidade. Ainda assim, para nos lembrámos bem do sítio onde estamos, duas semanas depois de chegarem mais de 200 nações ao Japão, ainda houve espaço para intransigências da organização. Mas os japoneses parecem ter feito as pazes com os Jogos. Agora é esperar por Paris, já falta pouco

  • Os dez momentos políticos nos Jogos de Tóquio
    Jogos Olímpicos

    Os XXXII Jogos Olímpicos da era moderna não registaram boicotes políticos. Mas muitos atletas aproveitaram o relaxamento das proibições em matéria de manifestações políticas, religiosas ou raciais para alertarem para as suas causas. Em algumas competições, previsivelmente tensas em virtude dos países em contenda, os atletas deixaram a política fora dos recintos. Mas no judo masculino, subiu mesmo ao tapete...