Tribuna Expresso

Perfil

PUBLICIDADE
Tóquio 2020

Tóquio 2020

Jogos Olímpicos

Londres 2012. Doping redefiniu pódios do salto em altura

Mais de nove anos depois, Erik Kynard vê confirmado o seu título olímpico, graças a um salto de 2,33 metros no Estádio Olímpico de Londres, então só superado pelo russo Ivan Ukhov, que viria a ser apanhado na luta antidoping

Lusa

Tim Clayton - Corbis

Partilhar

O Comité Olímpico Internacional anunciou na sexta-feira a redistribuição de medalhas de cinco provas de Londres 2012, nomeadamente os saltos em altura, em que se destaca o ouro para o norte-americano Erik Kynard.

Mais de nove anos depois, Kynard vê confirmado o seu título olímpico, graças a um salto de 2,33 metros no Estádio Olímpico de Londres, então só superado pelo russo Ivan Ukhov, que viria a ser apanhado na luta antidoping.

Anos mais tarde, Ukhov seria um dos atletas de topo envolvido no escândalo de corrupção institucionalizada e ao mais alto nível do atletismo russo.

Suspenso por quatro anos em 2019, recorreu para o Tribunal Arbitral do Desporto (TAS) no ano seguinte, mas sem sucesso.

Com o 'riscar' de Ukhov da lista, as três medalhas de bronze então outorgadas passam a prata, ficando na posse de Derek Drouin, do Canadá, Robbie Grabarz, da Grã-Bretanha, e Mutaz Essa Barshim, do Qatar.

Também houve mexidas na prova feminina, ainda que não tão profundas, com a destituição da russa Svetlana Shkolina, pelas mesmas razões.

Sobe ao bronze a espanhola Ruth Beitia, de 42 anos e já retirada, que no Rio2016 conseguiu o ponto mais alto da carreira, com o ouro olímpico.