Tribuna Expresso

Perfil

Lá Em Casa Mando Eu

Lá em Casa Mando Eu acredita que Militão podia ter feito os 90 minutos de calças de ganga e mesmo assim não merecia nenhuma crítica

O central brasileiro voltou a encher as medidas aos portistas, na noite em que o FC Porto empatou em Gelsenkirchen e Alex Telles falhou uma grande penalidade - desde a morte da princesa Diana que ninguém estava à espera de uma notícia destas. Já Hernâni continua a ser rápido

Lá em Casa Mando Eu

Soccrates Images/Getty

Partilhar

Casillas

Teve de estar bem mais atento do que está habituado, mas isso não significou necessariamente que tenha tido mais trabalho. No golo sofrido, ainda tentou sair aos pés do adversário, mas pouco havia a fazer. Passa agora a contar com 20 participações na Liga dos Campeões, o que, para quem gosta de números, significa mais do dobro das participações do Sporting, mas apenas dois terços dos alegados crimes cometidos pela SAD do Benfica só no processo e-toupeira.

Maxi

90 minutos de choque, bola em cima, bola em baixo, outro choque, sprint, bola perdida, choque, falta, sprint, chutão, choque, falta, choque, falta. Enfim, o jogo com que sempre sonhou. Para nós, portistas, o melhor de Gelsenkirchen será sempre 26 de Maio de 2004. Para Maxi, o de 18 de Setembro de 2018 foi incrível.

Felipe

Parece que está de volta ao seu melhor nível, tendo aparecido a cortar tudo o que lhe aparecia, mesmo que isso significasse ir cobrir o espaço de Alex Telles, Éder Militão, Maxi Pereira ou o senhor que corta a relva do estádio todo. Esteve ainda muito perto de marcar, ao finalizar um lance estudado ao minuto 47, que prova que nem todos os treinos dele são passados a chutar para o Marega lá ao fundo.

Militão

Foi novamente a grande notícia da noite: temos central, temos jogador, temos craque. Exibição quase perfeita, sempre atento e bem colocado e ainda com tempo para ir ao ataque nas bolas paradas para ajudar a assustar. Podia ter feito os 90 minutos de calças de ganga e mesmo assim não merecia nenhuma crítica.

Alex Telles

Custa a crer que tenha sido através de uma bola parada que nos tenha desiludido esta noite. É evidente que desde a morte da princesa Diana que ninguém estava à espera de uma notícia destas.

Danilo

Já consegue aguentar 180 minutos em apenas quatro dias e já consegue disfarçar com algumas recuperações as tentativas falhadas pelos colegas de sair com a bola nos pés. Melhor exemplo disso, ao minuto 59, quando travou um lance de muito perigo após uma irrefletida decisão de Iker Casillas de tentar colocar a bola no nosso meio-campo, quando, por essa altura, já devia ter percebido que ele não existia.

Herrera

Ultrapassado em intensidade pelos adversários, poucas vezes bem colocado, com muitos passes errados e 11 quilómetros corridos para praticamente nada, além de um pontapé na atmosfera que dá início ao golo dos alemães... Esperemos que esta exibição seja apenas um interregno na missão a que Hector Herrera se tem dedicado e que consiste em tornar-me uma pessoa mais feliz.

Otávio

Não tendo conseguido perceber muito bem o que o treinador pediu à equipa, também não me sinto em condições de analisar muito bem a exibição de Otávio. Valeu a frieza na hora de marcar o penálti, o segundo a nosso favor da noite e, para quem gosta de números, mais dois do que nos teriam assinalado se o jogo fosse em Portugal.

Brahimi

Curiosamente, foi a maior vítima da agressividade/intensidade dos adversários a defender, sendo que tinha quase sempre mais do que um à sua volta. Dá ideia que o treinador do Schalke viu uns minutos da Liga portuguesa e arriscou: “Vamos marcar bem este rapaz e talvez isso seja suficiente para eles não conseguirem fazer nada”. Enfim, assim se vê a loucura de um jovem treinador de apenas 33 anos.

Marega

Encostar Marega ao lado direito do ataque nem sempre é uma decisão muito bem compreendida, ao contrário de colocar Marega a chatear os centrais adversários, obrigando-os a cometer penálti. É este o Marega a que nos habituámos: mesmo quando parece fazer tudo mal, é-nos útil.

Aboubakar

ALERTA CM: depois de ter passado ao lado do curso de História na Faculdade de Letras da Universidade do Porto, terá sido visto em Budapeste esta noite.

Corona

Bem podemos ressalvar o quanto se entregou à partida, acabando até lesionado no nariz, que não será suficiente para esquecermos a sucessão de más decisões que tomou no lance do golo do Schalke. A culpa nunca será só dele (aliás, andamos a sofrer golos ou muito perto disso em lances de cantos e outras bolas paradas ofensivas como se isso fosse normal...), mas ainda estou mesmo para perceber o que foi fazer para as costas do guarda-redes, deixando o lado inverso completamente destapado. Como é que isso podia ter funcionado? Estava à espera que o jogador do Schalke rematasse na direção de Casillas e este fugisse, deixando-o salvar a bola na linha e acabando a ser transportado pelos colegas em ombros? A sério que só consigo pensar nisto.

Sérgio Oliveira

Como o meio-campo do FC Porto não estava a conseguir sair com bola, entrou Sérgio Oliveira e... bem, isto para dizer que um ponto na Liga dos Campeões já é mais do que muitos podem estar à espera.

Hernâni

É rápido.