Tribuna Expresso

Perfil

Lá Em Casa Mando Eu

Lá em Casa Mando Eu não sabe se as crianças devem ser obrigadas a dar beijos aos avós mas assegura que todos devem beijar Óliver

O FC Porto venceu o Vila Real, por 6-0, na 3ª eliminatória da Taça, e Lá em Casa Mando Eu deliciou-se com Óliver e... Adrián López, que marcou quatro golos: "Os jogadores do Vila Real vão poder dizer, um dia, não só que jogaram contra o FC Porto no campo lá da terra, como sofreram quatro golos do Adrián Lopez. Os seus netos, claro, vão pensar que a segunda afirmação já faz parte daquela senilidade própria da idade"

Lá em Casa Mando Eu

PEDRO SARMENTO COSTA/LUSA

Partilhar

Fabiano

Como seria de esperar, o Vila Real, equipa amadora, não conseguiu criar dificuldades ao FC Porto e a ausência de oportunidades de golo fez com que as seguintes pessoas também tivessem competência para ter estado hoje na nossa baliza:

1) Maria Leal, após gastar mais de mil euros em equipamento na loja dos chineses;

2) os três fugitivos do tribunal do Porto, mesmo já algemados;

3) a minha filha recém-nascida, que nem sequer aguenta 90 minutos seguidos acordada.

João Pedro e Jorge

São ambos laterais, são ambos brasileiros, apareceram bem ambos a atacar e têm ambos o mesmo problema: João Pedro e Jorge não são nomes que se deem a grandes estrelas do futebol. No máximo, podiam ser bons nomes para os laterais do 8ºB no torneio de interturmas da EB 2/3 da Areosa. Temos de pensar nisso.

Felipe e Militão

Sérgio Conceição mudou grande parte da equipa, mas não facilitou na hora de escolher o centro da defesa. Os centrais provavelmente sempre titulares, ainda há pouco tempo ambos convocados para a seleção brasileira, foram sérios e profissionais na hora de comparecer no Complexo Desportivo Monte da Forca, nome que, felizmente, Felipe não fez questão de levar hoje à letra.

Herrera

Colocado um pouco mais atrás no terreno, pareceu mais interessado em trocar a bola e em ir sobrevivendo sem 6 milhões de euros no banco.

Bazoer

Mais encostado à direita do que gostaria, demorou a entrosar-se minimamente com a equipa e foi ouvindo indicações do treinador que me pareceram estar a soar-lhe como as explicações de Fernando Gomes para as más contas do FC Porto. Quando apareceu pelo centro, criou mais perigo (inclusivamente, levou à expulsão de um adversário) e deixou indicações que devem dar-lhe mais oportunidades no futuro.

Óliver

A simulação com o corpo, o controlo da bola, a cabeça levantada e o passe certeiro: a jogada do quarto golo do FC Porto esta noite devia ser suficiente para Óliver jogar mais, jogar sempre. Mas houve muito mais, porque foi ele que conduziu a equipa do primeiro ao último minuto. Não sei qual é a vossa opinião sobre obrigar as crianças a dar beijos aos avós, mas penso que estamos todos de acordo que não há idade em que não devêssemos ser obrigados a beijar o Óliver de cada vez que ele joga assim.

Adrián Lopez

Os jogadores do Vila Real vão poder dizer, um dia, não só que jogaram contra o FC Porto no campo lá da terra, como sofreram quatro golos do Adrián Lopez. Os seus netos, claro, vão pensar que a segunda afirmação já faz parte daquela senilidade própria da idade.

André Pereira e Soares

A dupla atacante foi bastante prejudicada pelo futebol rendilhado de Óliver Torres e sentiu imensa falta dos lançamentos longos dos centrais, tendo marcado apenas um golo cada. É o que dá mudar o sistema assim de repente.

Corona
Passou com facilidade pelos jogadores do Vila Real e temo que isto lhe dê um otimismo exagerado para os próximos jogos.

Sérgio Oliveira
Espero grandes coisas dele no futuro, dado que está à frente de Óliver na hierarquia do meio-campo.

Marius
Não tenho nada a dizer sobre ele, portanto aproveito para festejar um jogo num campo com peão, numa terra contente por receber o FC Porto e com pessoas em campo que não vivem desde os cinco anos fechadas num centro de estágio. Assim sim: viva a Taça!