Tribuna Expresso

Perfil

Lá Em Casa Mando Eu

Maxi Pereira e o dom de saber escolher com precisão qual o adversário a chatear

Alguma vez pensou em ouvir "Riders of the Storm", dos The Doors, enquanto pensa num certo e determinado avançado do FC Porto? O Lá em Casa Mando Eu, pelos vistos, já, antes ou depois de o usar numa analogia para falar de outro ponta de lança: "Parece uma espécie de Marega em força, mas com pés. "

Lá em Casa Mando Eu

FERNANDO VELUDO/LUSA

Partilhar

Casillas

Antes do jogo, recebeu o prémio de melhor guarda-redes dos meses de outubro e novembro, mas não vou celebrar isto. Aprendi com a juíza do caso e-Toupeira que Iker Casillas fez todas aquelas boas exibições a jogar sozinho e que o FCPorto não tem nada a ver com isso. Aliás, nem sei por que é que me pedem para fazer as análises individuais de jogadores todas no mesmo texto. O que é que eles têm em comum? Nada. É cada um por si.

Maxi Pereira

Maxi Pereira é daqueles jogadores que consegue marcar a vida de muita gente. Seja pelas trocas de clube, seja pela intensidade com que se entrega a todos os lances, seja pelo dom de saber escolher com precisão qual o adversário a chatear. Hoje, calhou a Fábio Coentrão, uma escolha curiosa de Maxi Pereira, uma vez que é muito difícil encontrar mais de um milhão de razões para o detestar. O duelo acabou como seria de esperar: Maxi ganhou o jogo, festejou e vai em primeiro no campeonato. Fábio Coentrão foi expulso. E diz que é do Sporting.

Felipe e Militão

Ora, eu estou convencida que temos uma grande dupla de centrais e, basicamente, não tenho grandes razões de queixa dos dois, o que é um grande feito, porque eu normalmente tenho razões de queixa de muita gente. O problema é que o Rio Ave tem um rapaz lá à frente de seu nome Vinícius, que, olhando para a exibição que fez esta tarde, me parece uma espécie de Marega em força, mas com pés. Resultou deste facto que Felipe e Militão andaram várias vezes aos papéis, o que me deixou preocupada, até perceber que podíamos ir agora buscar esse tal de Vinícius, quanto mais não seja para ajudar os nossos brasileiros a melhorar nos treinos. Pensemos nisso.

Alex Telles

Continua com algumas dificuldades em defender, disfarçando-as com a ótima qualidade nas bolas paradas. Aos 60 minutos, ainda fez o melhor corte do jogo, após uma boa jogada de Fábio Coentrão. E todos os jogadores que impedem que Fábio Coentrão seja feliz merecem todos os meus elogios.

Danilo

O senhor comendador deixou algum espaço para os médios do Rio Ave aparecerem de frente para a nossa linha defensiva e isso foi problemático. Esta atuação menos positiva deve-se ao facto de Danilo não conseguir parar de rir com a capacidade de mobilização da extrema-direita. Sempre que via um médio sozinho, Danilo apontava e dizia: “Parece a manifestação dos coletes amarelos em Coimbra!”. Via um médio do Rio Ave falhar um passe e dizia: “Este é quase tão burro como um gajo do PNR!”. Enfim, é perfeitamente normal, mas às vezes gostávamos que o senhor comendador deixasse as preocupações democráticas exclusivamente para fora do campo.

Herrera

Passou os 90 minutos a correr, numa exibição que costumo designar por “clássico Herrera”. Acabou o jogo a sangrar e, caso se venha a confirmar a possível transferência já em janeiro, este pode ter sido o último jogo no Dragão. Com sangue e suor, faltaram as lágrimas, mas guardemo-las para o vídeo de despedida, com o golo dele na Luz a passar ao som de Queen.

Corona

Não é, claramente, o Corona de Novembro. O Corona de Novembro não tinha falhado a oportunidade aos 45 minutos e provavelmente não desaparecia na segunda parte. Talvez Corona ainda tenha compras de Natal para fazer. O Corona de Novembro compraria aquela joia para a mulher, um Faísca McQueen verdadeiro para o filho e sabia o livro certo para oferecer ao sogro. O Corona de Dezembro vai amanhã à Tiger comprar porta-chaves para todos.

Brahimi

Está a começar a tornar-se um hábito isto de começarmos os jogos a perder, mas, felizmente, também já se tornou um hábito ser Brahimi a dar a volta a isto. O golo do empate é um ótimo exemplo daquilo que parece uma boa jogada coletiva, mas que foi, afinal, quase toda feita por apenas um jogador.

Marega

There's a killer on the road

His brain is squirmin' like a toad

Take a long holiday

Let your children play

If you give this man a ride

Sweet family will die

Killer on the road, yeah

Girl, you gotta love your man

Girl, you gotta love your man

Take him by the hand

Make him understand

The world on you depends

Our life will never end

Gotta love your man, yeah

Soares

Um jogo simples, marcado pela assistência para o golo do empate de Brahimi e, sobretudo, pelo voluntarismo a defender. O avançado brasileiro a certa altura defendeu tanto que parecia estar a jogar para o elogio de Freitas Lobo. Ou então Sérgio Conceição convenceu-o que se portou mal o ano inteiro e que só um derradeiro esforço lhe dava prendas no sapatinho.

Óliver

Melhorou um bocadinho o controlo do jogo e a qualidade de passe da equipa, mas rematou uma bola diretamente para o guarda-redes do Rio Ave, provando que ainda não está pronto para ser aquele médio possante e goleador em que toda a gente espera que se transforme.

Hernâni

Voltou a ser rápido.

Adrián

Domingo à tarde, antevéspera de Natal, dia de festa, com estádio cheio e famílias a ir ver a bola. E 15 vitórias consecutivas. Obrigada por isto.