Tribuna Expresso

Perfil

Lá Em Casa Mando Eu

Lá em Casa Mando Eu lamenta que Alex Telles não tenha tido pernas para chutar pelo menos um daqueles pombos para a área

A nossa cronista de apoio à causa portista pede também mais respeito pelos mais velhos, já que a hora do jogo não deixou Maxi Pereira fazer a sua sesta e, consequência, não aguentar nem 45 minutos

Lá Em Casa Mando Eu

Gualter Fatia/Getty

Partilhar

Casillas

Confesso que ainda não tinha visto nenhum jogo inteiro do Sporting desde que o saudoso José Peseiro saiu, porque estava em protesto por isso mesmo. Mas já tinha ouvido falar tanto do estilo de jogo de Marcel Keizer que, tudo o que fosse menos do que perder por 5 ou 6, seria ótimo. Ora, surpreendentemente, o nosso adversário de hoje foi um bocado mais gatinho do que leão, mas, ainda assim, é sempre bom saber que se tem Iker Casillas na baliza, quanto mais não seja para travar os remates de longe daquele médio que devia ter sido expulso e daquele médio cujo nome não sei pronunciar, nem escrever (depois vejo como é na crónica do Diogo Faro).

Maxi

Isto do futebol às 15.30 é tudo muito lindo, vão as crianças, vão as famílias, há sol e alegria e não sei o quê, mas lá se foi a sesta. Ora, não admira que o senhor não tenha aguentado nem 45 minutos. Mais respeito pelos mais velhos, por favor.

Felipe e Militão

O homem andou pelo chão, andou a vê-las passar pelo ar e, à exceção de um único lance em que os centrais do FC Porto foram fazer outros recados, praticamente não tocou na bola. Não sei se Felipe e Militão valem 50, 75 ou 100 milhões, mas pelo menos continuam a valer esta pergunta: Bas... quê?

Alex Telles

Num jogo maioritariamente mal jogado, com mais intensidade do que interesse, houve um pormenor que foi captando a atenção dos telespectadores: um grupo de pombos que passou a primeira parte praticamente estacionado na área do FC Porto e que só na segunda se foi aventurando por outras andanças. Enfim, era um grupo de pombos com um bom trabalho defensivo, mas penso que jogou demasiado para o empate. Alex Telles, que foi dos que teve mais trabalho a defender, não teve pernas para chutar pelo menos um pombo para a área. (E assim, meus caros, é como se perdem os leitores do PAN)

Danilo

Se podemos queixar-nos da falta de espetáculo deste Sporting-FC Porto, é apenas porque deixámos de lado algumas intervenções do senhor comendador. Aos 61 minutos, por exemplo, Danilo foi à ala esquerda humilhar uns adversários. Mais tarde, magoou-se no pé direito enquanto executava mais umas fintas. Saiu a mancar, ou, como se diz em comendadorês, a refletir se vale mesmo a tempo dedicar-se tanto tempo a um desporto em que o músculo às vezes se sobrepõe ao cérebro.

Herrera

Levou um cartão amarelo logo aos 11 minutos, por fazer três faltas seguidas, uma atitude que seria reprovável em qualquer outro jogador que não Herrera, que já nos habituou a atitudes reprováveis há muitos anos, portanto não vai ser agora que nos vamos chatear. Como ao nível do futebol isto não correu muito bem, Herrera acabou por ficar ligado aos lances de arbitragem mais polémicos do jogo: primeiro, sofreu a falta que devia ter expulso Bruno Fernandes ainda na primeira parte; depois, fez a falta no ombro que fez doer a cara de Bruno Fernandes. O médio do Sporting é um grande jogador, não haja dúvidas, mas também me parece que é demasiado protegido. A não ser em Alcochete, claro.

Corona

Estava a fazer um mau jogo quando foi obrigado a recuar para lateral e, curiosamente, melhorou no ataque. No entanto, fez ali dois péssimos passes que ainda criaram perigo para o Sporting. É por estas e por outras que sou a favor do fim das propinas no Ensino Superior, a não ser que haja um curso de noção para o Corona.

Brahimi

Quando o futebol não é grande coisa, há duas hipóteses para Brahimi: ou mostrar que, apesar do futebol não ser grande coisa, é o melhor jogador do campeonato; ou mostrar que, apesar de ser o melhor jogador do campeonato, também sabe alinhar num futebol que não é grande coisa. Hoje tivemos um bocadinho de ambas, mas destaco o lance, aos 67 minutos, em que a equipa finalmente parecia bem colocada no ataque e em que Brahimi tomou a pior decisão possível: rematar, e mal. Ai, Yacine, sabes aqueles momentos em que começamos a acreditar que vamos ganhar isto? Era como eu estava até aí. Senti-me mais traída do que o Rui Rio dentro do PSD, agora imagina.

Marega

Começou o jogo a apertar os cordões, o que pode ter estragado o que aquelas chuteiras tinham preparado para hoje. Depois tirou a aliança, o que pode ter arruinado uma família. “Visto aqui do relvado, é impressionante a capacidade física de Marega”, dizia o repórter, num raro momento intimista da Sport TV. Pois é, hoje não houve cordões, alianças ou capacidades físicas que se alinhassem para assistirmos ao golpe final no Sporting, que todos imaginamos que seja executado por Marega. Mas é óbvio que ele vai chegar.

Soares

Teve a melhor oportunidade da nossa equipa para marcar golo, mas acertou mal na bola com o pé que lhe servia de apoio. Pelos vistos, ficou a reclamar com Marega ter-lhe estragado a execução. Oh Soares, deixa-te disso, o Marega já tem as próprias execuções para estragar, tem lá tempo para isso!

Óliver

A lesão de Maxi Pereira levou Sérgio Conceição a mudar o sistema e, desta vez, os minutos finais da primeira parte serviram para colocar Óliver em campo. A equipa melhorou, mas foi sol de pouca dura. Muitas faltas, correrias, força e pressa não são propriamente características que assentem bem no futebol de Óliver, portanto não haveria mais nada a dizer. O que é certo é que fechámos a primeira volta com mais cinco pontos do que o segundo classificado, agora imaginem quando voltarmos a jogar bem.

Fernando Andrade

Espero poder vir a desenvolver mais isto, mas, para já, é forte.

Hernâni

É rápido.