Tribuna Expresso

Perfil

Lá Em Casa Mando Eu

O conselho de Lá em Casa Mando Eu, que quer o vosso bem: larguem os textos sobre futebol. Vão ler um livro, mas é. Cultivem-se, seus grunhos

O FC Porto até acabou o campeonato a ganhar, frente ao Sporting, mas Catarina Pereira não ficou, obviamente, satisfeita com o 2º lugar... e com a razia que aí vem: "Sem Herrera e sem Casillas (?), a braçadeira de capitão já tem dono no próximo ano. A não ser que o vendam, também pode ser, claro. E à braçadeira de capitão, já agora"

Catarina Pereira, Lá em Casa Mando Eu

MIGUEL RIOPA

Partilhar

Vaná

Não deve ser fácil ser chamado no fim de uma época – e logo desta – para substituir Iker Casillas. Por outro lado, e se o guardião espanhol não puder voltar (Deus Nosso Senhor Jorge Nuno Pinto da Costa nos livre desse mal), pelo menos já fomos dando uns minutos ao nosso único reforço do plantel campeão 2017/2018. Julgo que às vezes nos esquecemos deste facto. Único. Reforço. Campeão.

Militão

Na despedida do Estádio do Dragão, pudemos vê-lo no seu habitat natural: o campo de futebol. Curiosamente, ligeiramente mais desviado para a linha lateral do que seria de desejar, mas também não vai ser agora que vão ver-me chateada com este pormenor. Adeus Militão, foi um prazer conhecer-te.

Felipe

Houve ali uma altura em que antevi que ia acabar expulso, tal era o descontrolo emocional (que, numa altura destas, não só é justificável, como penso que quem não o demonstrou só pode ser um choninhas. Já alguém tinha escrito choninhas numa crónica sobre futebol? Às vezes fico surpreendida com a qualidade do meu comentário desportivo). Surpreendentemente, não fez nada de mal a um adversário, ao árbitro, ou ao planeta em geral. Sendo também a despedida do Dragão, ficou então um pouco aquém das expectativas.

Pepe

Nem teve tempo (e vontade) para o descontrolo emocional. Um desperdício de recursos, portanto.

Alex Telles

Ao longo da época, foi notória a ausência de alternativa a Alex Telles, obrigando o lateral brasileiro a arrastar-se muitas vezes para dentro de campo. Em todas elas, Alex Telles deu sempre o seu melhor e, muito por isso, ouviu ontem no Dragão provavelmente a grande ovação da tarde. O público portista reconhece-lhe a entrega, numa altura em que se fala da saída. Uma saída que não me deixa nada preocupada, porque tenho a certeza que não há problema nenhum em deixar sair mais de meia equipa, sobretudo o nosso lateral esquerdo que não tem suplente e que ainda é o gajo que faz as assistências todas de bola parada quando não temos futebol para mais. Estou relaxadíssima, como veem.

Danilo

Uma vez a perder, foi ele que pegou na equipa e gritou uma espécie de “caríssimos, deixem-se de questões existenciais e vamos lá impor a nossa filosofia de jogo para cima dos excelentíssimos contribuintes que se nos opõem hoje”. Pelo menos é assim que eu imagino que um comendador fale, mas também é capaz de ter sido uma espécie de “f%$#-)&, deixem-se de m#%/=”# e vamos lá para cima deles, c=%#”&/!”. Seja como for, em ambas as hipóteses, Danilo foi quem pegou nos colegas e os levou à reviravolta. Sem Herrera e sem Casillas (?), a braçadeira de capitão já tem dono no próximo ano. A não ser que o vendam, também pode ser, claro. E à braçadeira de capitão, já agora.

Herrera

Por falar em vendas… ah, não, esqueçam, o capitão vai sair a custo zero. Bem, pelo menos sai com um golaço. Que até seria uma bela maneira de o recordar no futuro, não fosse aquele remate na Luz aos 89’ que nos deu um campeonato. Vou ter saudades de poder falar nisto nestes textos. A não ser que possa fazê-lo enquanto falo de qualquer jogador. Por exemplo, na análise ao “X”, substituto do Herrera na próxima época, posso sempre imaginar onde é que ele estava quando o Herrera marcou aquele golo na Luz. Olha, aqui está uma ideia vencedora!


Otávio

Ora bem, vamos ver se nos entendemos: vocês nunca me vão ouvir queixar da falta de entrega de Otávio. Isso não é um problema. Nunca. Mas, agora que estamos a chegar ao fim de duas épocas com Otávio a ter um papel de segunda fila nesta equipa, também penso que não custa nada ouvir esta opinião: ah, falta a final da Taça, vou guardar isto para o dia seguinte porque ele ainda pode ser útil e eu ainda posso fazer figura de ursa.


Corona

A melhor época da carreira acabou com uma confusão com o Acuña, que julgo estar nas três piores formas de se terminar uma época.

Marega

Muito do ataque do FC Porto continua a ter de passar por Moussa Marega, que ontem até tomou um conjunto de boas decisões (nem sempre seguidas de uma boa execução desse desejo, mas, hey!, não se pode ter tudo). Chegou a marcar um golo, mas estava ligeiramente adiantado, que é como eu já estou em relação a ir levá-lo ao aeroporto se alguém estiver mesmo disposto a dar 40 milhões por ele. E agora vou traduzir esta informação para os nossos amigos ingleses, antes que eles vão ao Google Translate: “He scored a goal, but the referee was a thief, like all the other referees, and I wish nobody arrives at the airport and gives 40 million euros for him, because he is simply the best. Love you, Moussa. To the Premier League and back”. Este “back” é só uma expressão. Não é mesmo para voltar.

Soares

Acabou a época sendo o nosso melhor marcador, com 15 golos. Isto é o que um avançado do FC Porto devia marcar num só jogo contra o Nacional, mas pronto.

Brahimi

Dizia esta semana no boletim clínico que estava “condicionado”, que é o que devia ter dito sempre que um jogador com esta qualidade foi condicionado pelo futebol praticado esta época.

Manafá

Penso que tem potencial para ser uma espécie de Marega da próxima época. Isto se derem 40 milhões pelo Marega original. Já vos disse que seria incrível? He’s like Marega, but I`m not sure if he`s worth 40 millions now. Maybe next season. Well, if you really want him right now, surely we can talk…

Aboubakar

Tendo em conta que me apetece contratar 1500 avançados para a próxima época, julgo não ser a melhor altura para abordar esta análise. Aliás, não é a melhor altura para abordar qualquer análise. Larguem os textos sobre futebol. Vão ler um livro, mas é. Cultivem-se, seus grunhos.