Tribuna Expresso

Perfil

Lá Em Casa Mando Eu

O primeiro dérbi da Invicta em que o Lá em Casa Mando Eu se lembra de não ficarem 92.737 jogadores por expulsar

Um dérbi em que, na segunda parte, entraram Zaidu, Fábio Vieira e Romário Baró, jogadores que a cronista imagina, um dia, a serem merecedores de uma reportagem com um título na linha deste: "do FC Porto para o Wolverhampton em imensos anos, para aí uns dois"

Catarina Pereira, Lá em Casa Mando Eu

MIGUEL RIOPA/Getty

Partilhar

Marchesín

A pandemia tirou-nos almoços de família, abraços e viagens. Ao nosso guarda-redes, num Bessa sem público, poupou uma mão cheia de insultos boavisteiros - daqueles que chocam até no Porto. Para o ano haverá mais, esperemos.

Manafá

Foi muito elogiada a sua exibição frente ao Braga, pelo que Manafá fez questão de travar a euforia e fazer regressar as expectativas a níveis suportáveis de realidade.

Mbemba

Veio de Newscastle para Portugal, provavelmente à espera de bom tempo e equipas mais fáceis. Estava certo quanto a uma das coisas.

Pepe

O futebol português esperou muitos anos para ter Pepe e Javi García no mesmo relvado. Certamente não o esperaríamos num dérbi da Invicta, e logo no único que me lembro em que não ficaram 92.737 jogadores por expulsar, mas foi o que se arranjou. Ainda houve ali um ou outro momento em que trocaram algumas palavras ou gestos de enorme dor para chatear o outro, mas ficou muito aquém das nossas expectativas. A melhorar até à segunda volta.

Alex Telles

Passou muito despercebido durante o jogo. Agora resta saber se porque já tem a vida resolvida, se porque não tem. O mercado fica à porta, esperemos que o Alex Telles não tenha percebido que ele também.

Danilo

Não deu grandes hipóteses ao meio-campo do Boavista, mesmo que tenha passado grande parte do jogo a pensar se não é mesmo melhor ir fechar a porta para o Alex Telles não sair.

Sérgio Oliveira

Excelente cobrança de um livre direto, não só porque acabou em golo, mas sobretudo porque expôs Javi García ao sofrimento de contribuir para uma vitória do FC Porto.

Uribe

Teve sorte porque jogou pela primeira vez no Bessa na estreia de um Boavista que quis jogar à bola. Surpreendido por não ter de passar a partida a lutar contra um Petit ou Idris qualquer, até saiu mais cedo. A tempo, portanto, de se deitar a horas e de não estragar outra vez este dérbi.

Otávio

Imaginem ser o Otávio e chegar ao minuto 78 e perceber que nem foi preciso discutir, meter o pé, tirar o pé e discutir para sobreviver a um dérbi no Bessa. Eu também pedia para sair, fogo.

Corona

Coisas pelas quais ansiamos em 2020, por ordem crescente de importância:

- vacina da covid-19

- paz no mundo

- recepções orientadas de Corona

Marega

Não é fácil ter de procurar espaço numa zona do campo onde se encontra um jogador chamado Mangas, que considero o nome com mais pinta de um futebolista da Primeira Liga ou do torneio de interturmas da Secundária do Bessa. Ainda assim, Marega conseguiu e até marcou um golaço de primeira e outro numa jogada de laboratório. Como se este ano pudesse ficar mais estanho.

Luís Díaz

Depois de marcar o 5-0 ao Boavista, tem direito a ir festejar até às tantas.

Taremi

Desta vez entrou e não sofreu logo um penálti. Desilusão.

Zaidu

Tem de começar a mostrar trabalho, uma vez que estamos a contar que seja a nossa futura venda de muitos milhões para um clube inglês qualquer, dando aquela excelente reportagem sob o título "Do Mirandela à Premier League em apenas três anos".

Romário Baró

Este também pode dar a reportagem “Da formação do FC Porto ao Wolverhampton em imensos anos, para aí uns dois, como é que demorou tanto tempo é que eu não percebo”.

Fábio Vieira

Folgo em saber que continua por cá. O mercado fecha quando mesmo? E o Wolverhampton, já agora?