Tribuna Expresso

Perfil

Liga dos Campeões

Nem as drogas e o álcool afastaram Hakim Ziyech dos relvados

Hakim estreou-se no futebol profissional no Heerenveen, em 2012. Desde então, a carreira desportiva do marroquino tomou o sentido ascendente, até ao Ajax. Esta terça-feira disputa as meias-finais da Liga dos Campeões, frente ao Tottenham (20h, Eleven)

Expresso

VI-Images

Partilhar

Há algo de mítico e improvável na biografia de Hakim Ziyech, como em todas as histórias de superação. O médio marroquino de 26 anos do Ajax está a jogar futebol ao mais alto nível, é cobiçado pelo Bayern Munique, marcou por duas vezes, nos oitavos da Champions, frente ao Real Madrid, e fez uma assistência diante da Juventus, nos quartos.

A narrativa de Ziyech, contudo, podia ser muito diferente, caso se tivesse deixado determinar pelo seu passado. Antes de se dedicar à bola, o marroquino, o mais novo de oito irmãos e criado na Holanda, teve problemas com as drogas e o álcool.

Aos dez anos, Ziyech perdeu o pai, passou por uma fase de rebeldia. Na realidade, não foi o único da família a passar por um mau momento: dois dos seus irmãos foram presos por roubo, depois da perda de Tayeb Ziyech.

O que salvou Hakim terá sido mesmo o futebol, o sonho de ser tornar um jogador profissional. Aqui, em todo o caso, contou com a ajuda de Aziz Doufikar, ex-jogador marroquino que foi um seus primeiros treinadores. “A morte do pai levou-o para o crime, mas eu o ajudei o máximo que pude para mantê-lo no caminho certo. Era seu mentor e de alguma forma sua figura paterna”, contou o técnico, ao jornal “El Mountakhab”, em 2017. “Ele bebia, fumava muito, consumia drogas. Teve muitos problemas com a lei”, contou.

Hakim estreou-se no futebol profissional no Heerenveen em 2012. Desde então, a carreira desportiva do marroquino tomou o sentido ascendente. Entre 2014 e 2016, passou pelo Twente. Neste momento, Hakim cumpre a sua terceira temporada do Ajax. Este ano, já marcou 20 golos e fez 20 assistências, em 44 jogos.