Tribuna Expresso

Perfil

PUBLICIDADE
Liga dos Campeões

À procura de dois golos: FC Porto volta a defrontar Chelsea em Sevilha

A equipa de Sérgio Conceição precisa de marcar esta noite (20h, Eleven/TVI) pelo menos dois golos para empatar a eliminatória, já que o Chelsea venceu a 1.ª mão dos quartos de final por 2-0

tribuna expresso e lusa

Quality Sport Images

Partilhar

O FC Porto parte hoje com um atraso de dois golos em relação ao Chelsea para a segunda mão dos quartos de final da Liga dos Campeões em futebol, numa eliminatória com princípio e fim na ‘neutra’ Sevilha.

Depois do desaire na quarta-feira por 2-0, culpa de Mount (32 minutos) e Chilwell (85), os comandados de Sérgio Conceição precisam de uma noite histórica para alcançar a quarta meia-final na prova, repetindo 1986/87, 1993/94 e 2003/04.

Para marcar encontro com o vencedor do embate entre Real Madrid e Liverpool, que se defrontam em Anfield Road após o 3-1 caseiro dos ‘merengues’, o FC Porto necessita de uma série de registos que nunca conseguiu na Europa.

Taremi e Sérgio Oliveira de volta

Os ‘dragões’ iniciaram 15 eliminatórias com desaires por mais de um golo e jamais seguiram em frente, cumpriram 21 jogos fora com clubes ingleses – embora este seja em Espanha - e ainda procuram a primeira vitória e só foram capazes de vencer o Chelsea por um golo (duas vezes por 2-1), em nove duelos.

Para fazer história, e acabar com uma série de seis eliminações consecutivas face a conjuntos da Premier League, o treinador Sérgio Conceição já vai poder contar com Sérgio Oliveira e Taremi, ambos ausentes da primeira mão por castigo.

Estes dois jogadores poderão ser as duas únicas novidades no ‘onze’, em desfavor de Grujic e Luis Díaz, num embate para o qual o treinador portista, que nunca chegou às ‘meias’, já avisou que “ir com muita sede ao pote pode ser prejudicial”.

O encontro entre Chelsea e FC Porto, da segunda mão dos quartos de final da Liga dos Campeões em futebol, realiza-se na hoje, pelas 21:00 locais (20:00 em Lisboa), no Estádio Ramón Sánchez Pizjuán, em Sevilha, desta vez casa emprestada dos ingleses, com arbitragem do francês Clément Turpin.