Tribuna Expresso

Perfil

PUBLICIDADE
Liga dos Campeões

Marcelo não pode viajar com o Real Madrid para Londres. Razão: é suplente numa mesa eleitoral na capital espanhola

Marcelo terá de cumprir as suas obrigações cívicas nas eleições da Comunidade de Madrid na terça-feira e terá de seguir para o jogo da 2.ª mão da Liga dos Campeões, frente ao Chelsea, em avião privado, o que poderá custar qualquer coisa como 20 mil euros ao Real Madrid

Tribuna Expresso

Soccrates Images/Getty

Partilhar

Fora do contexto dos estádios, dos treinos e das vidas milionárias, os jogadores dos melhores clubes do mundo são cidadãos como qualquer comum mortal. Com os mesmos direitos e obrigações.

Marcelo, lateral do Real Madrid, terá tido noção disso mesmo quando foi chamado para ser delegado suplente numa mesa de voto para as eleições da Comunidade de Madrid, que se realizam na próxima terça-feira, dia 4 de maio.

Problema número 1: de acordo com o jornal “As”, depois de receber a comunicação de que teria de cumprir este dever cívico, o jogador brasileiro não apresentou alegações em tempo legal para ser dispensado. E problema 2: com o Real Madrid ainda na Liga dos Campeões, essa distração quase impediu o jogador de ajudar a equipa na próxima quarta-feira, na 2.ª mão das meias-finais da Champions, frente ao Chelsea em Londres.

Zinedine Zidane avançou esta sexta-feira que o jogador “vai cumprir as suas obrigações” e que na quarta-feira estará com a equipa em Londres, algo que exigiu um plano alternativo ao Real Madrid. Mesmo sendo apenas suplente da mesa de voto, Marcelo está impedido de sair da zona da capital espanhola na terça-feira, pelo que não poderá seguir com a comitiva merengue para Inglaterra neste mesmo dia.

Diz o “As” que o Real Madrid terá de pagar um avião privado para levar o jogador até Londres na terça-feira à noite ou já na quarta-feira, algo que poderá custar qualquer coisa como 20 mil euros.

O clube madrileno ainda tentou resolver a questão com a junta eleitoral, argumentando com a importância do jogo para a equipa e com o caracter excecional da ocupação laboral de Marcelo, mas os responsáveis pela organização das eleições foram intransigentes.

Marcelo é suplente o que significa que só em caso de emergência estará na mesa, situação que preocupa o Real Madrid, já que tal significa que passará todo o dia numa sala fechado, em contacto com centenas de pessoas em plena pandemia. Nesse caso, diz a imprensa espanhola, o clube madrileno pondera mesmo não arriscar e deixar o jogador em terra.